O jeito certo de se apontar um problema.

Primeiro, vamos esclarecer que crítica é sempre construtiva, porque crítica não é ofensa. Fazer uma crítica é elencar os pontos positivos e negativos de algo e ponderar o que poderia ser diferente, melhor ou que poderia ser suprimido, adicionado, etc. Entendido isso, o melhor jeito de se apontar um problema é deixando, junto, uma sugestão de solução. Desenvolvamos esse assunto.

É muito oportuno poder observar e identificar aquilo que não funciona bem no mundo, nas pessoas, nas situações, em nós mesmos, nos projetos ou nos produtos e serviços, mas o ser humano quando está sobrecarregado, raramente consegue olhar pra algo sem se envolver emocionalmente ou sem reagir de forma desproporcional. Isso faz com que reaja apenas apontando erros, sem deixar solução alguma. E isso, ironicamente, é mais um erro depositado ao mundo. Se queremos ver soluções no lugar dos erros, devemos agir diferente.

Quando observar, por exemplo, um artista apresentando uma obra, você tem a oportunidade de dar seu ponto de vista, citando os aspectos que lhe agradou e aquilo que notou de falho, insuficiente ou incômodo. Algo simples como dizer “Gostei do conceito e das cores e acho que, por ser uma obra mais figurativa, poderia lapidar o volume ou iluminação nesta região, para uma dimensão mais realista ou mais convincente. A proporção da tela parece bem adequada pro tipo de composição e essa região avermelhada me passou a sensação de um ambiente ou momento feliz.”. Está feita uma crítica eficiente e agora o artista terá a oportunidade de refletir sobre isso, estudar o que achar necessário e tentar melhorias nas próximas criações.

Você pode fazer algo similar em tudo onde tiver algo para acrescentar sobre seu entendimento ou suas impressões sobre algo. Claro que nem sempre é preciso prestar sua opinião, mas se desejar colaborar, a crítica é uma opção. Nem sempre as pessoas que vão receber a crítica estão preparadas pra tal. Muita gente no mundo solicita opiniões já esperando ouvir apenas comentários positivos, elogios, etc. Para este tipo de pessoa, não é fácil adicionar informação e geralmente, por isso mesmo, elas estagnam em suas criações. Se notar que alguém não é receptivo a críticas, você pode simplesmente evitar aquela pessoa e dedicar sua atenção, tempo e conhecimento para quem esteja querendo aprimorar algo.

E as críticas não servem apenas pra avaliar uma tela, um texto, um filme, uma música ou uma apresentação de dança. Este recurso é necessário em tudo que vamos fazer, inclusive dentro de nós mesmos, sob nossa própria análise. A crítica, seja lá de onde venha, deve ser sempre a ponderação realista dos detalhes, dos aspectos, das condições. Podemos, por exemplo, olhar pra dentro de nós e refletir que talvez devamos ser mais cautelosos, mais ousados, menos ousados ou que devamos tentar um outro horário de almoço ou de sono. Mas, isso não pode ser algo arbitrário. Deve sempre ter um propósito de esclarecer e aprimorar. Toda solução sugerida deve ter algum embasamento junto ao que foi observado de problema. Talvez a mudança de um hábito pessoal possa ser percebida como necessária depois de nos vermos mais cansados, tristes ou improdutivos no modelo anterior. E se quisermos ajudar a nós mesmos, eis aí uma boa crítica que podemos fazer.

Assim é com tudo no mundo. Você pode dizer isso ao seu companheiro de trabalho, parceiro de relacionamento, amigo, funcionário de uma loja, ao serviço de atendimento ao consumidor de uma empresa, ao produtor de conteúdo na internet, autor de um livro, um parente, etc. Onde houver gente, há o que ser observado e criticado. Dar seu parecer, especialmente quando solicitado, dará a oportunidade do mundo melhorar, se os responsáveis quiserem aprender algo com o que ouvem das pessoas ao redor. Todos saem ganhando com esse tipo de iniciativa. O mundo só se tornou avesso a críticas porque se acostumou a ouvir ofensa no lugar delas e a acreditar que as ofensas eram as tais críticas. É evidente que ninguém estará interessado de ouvir ofensas, mas, como já dito, críticas não são ofensas. Descarte as ofensas e seja desejoso por críticas o tempo todo. É com elas que poderemos notar algo que não víamos e aprender algo novo.

Se durante nossa alfabetização nunca tivessem corrigido nossas trocas de letras na leitura ou escrita, jamais teríamos nos elevado ao nível de poder ler e escrever corretamente ou com facilidade. É por termos nos permitido aprender desde sempre, que superamos os tropeços e inabilidades da infância e pudemos desfrutar de uma posição melhor quando adultos. Independente do ritmo em que cada um vai, o importante é estar aberto para receber e dar críticas sempre que houver espaço pra tal. Nosso papel na sociedade é muito mais do que apenas nos fecharmos em nós mesmos. Viver em sociedade é justamente o oposto da postura de egoísmo, uma vez que tudo que temos, somos e fazemos tem impacto no mundo e é dependente do entorno. A somatória de como cada indivíduo é, determina como o coletivo será. Essa relação de troca útil e harmoniosa entre as pessoas, é o que te dá instrumentos para vencer. E se você deseja crescer, eis aqui a minha crítica ofertada. Espero que ela seja útil pra você fazer seus ajustes.

Rodrigo Meyer

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s