Nenhuma ignorância ficará impune.

Independente dos sistemas sociais e das interações humanas, tudo aquilo que existe, traz consigo a inevitável consequência de sua existência. E o que isso quer dizer? Quer dizer que se existe uma fruta pendurada em uma árvore, haverá um momento em que ela cairá do galho ou será digerida por algum pássaro. Da mesma maneira, se uma pessoa chacoalha uma árvore carregada de frutos, alguns frutos poderão cair. Assim como nenhuma ação fica sem reação, a ignorância humana também não percorre sem consequências diretamente relacionadas.

Se pegarmos exemplos simples, já conseguimos demonstrar esse fato. Imagine que uma pessoa tente construir uma casa, porém sem nenhum domínio de engenharia, construção ou mesmo de física básica e empírica. Visualize uma pessoa tentando erguer 3 andares de pedras pesadíssimas, apenas apoiadas numa base frágil de bambu. O simples fato da pessoa desconhecer as propriedades de resistência do bambu, a torna ignorante nessa tentativa e traz como consequência a impossibilidade do feito e/ou um terrível acidente com as pedras quebrando o bambu e vindo toda obra ao chão.

Na vida, nem tudo que exige noção, conhecimento e controle da ignorância, são tarefas tão óbvias como estas. Ainda que estejamos em uma época dito “tecnológica”, ainda temos que enfrentar muita ignorância que sobrevive ou renasce do passado. A informação precisa chegar pra todos, porém vivemos tempos difíceis onde até a pouca informação começa a faltar e falhar. As pessoas já começam a crer, novamente, em ideias como ‘Terra plana’, resgatando um culto à ignorância que parece ser o centro de suas vidas. Haveria tempo pra simplesmente criticar essas pessoas, porém isso não contribuiria em nada para a melhoria do cenário. Deixemos que as críticas vazias fiquem somente entre os ignorantes. Tomemos pra nós, se objetivamos alguma melhora no mundo, o papel de transformar as pessoas ao nosso redor. Ainda que seja difícil fazer despertar o interesse pela cultura, sabedoria, intelectualidade, noção, razoabilidade, realidade, verdade, educação, etc., precisamos, pelo menos, tentar.

Tudo na vida tem um preço intrínseco que é dado automaticamente, conforme cada pessoa interage na realidade. Seja lá quem for e como for, tudo que for feito, pensado ou intencionado, trará uma proporcional consequência. Assim sendo, nada mais inteligente e útil do que tentar pautar suas ideias, ações e intenções em coisas coerentes, produtivas, positivas, que vão te retornar benefícios ao invés de prejuízos, que vão te abrir caminhos ao invés de lhe fechar portas, que vão lhe tornar alguém mais esclarecido ao invés de alguém mais facilmente enganado, que vão lhe dar mais paz ao invés de lhe tornar alguém que muito odeia e se torna inconveniente por isso.

Você pode jogar pedras para o alto, livremente. A liberdade é justamente poder fazer o que se quer, mesmo que seja uma idiotice completa. Contudo, em toda liberdade existe o preço da responsabilidade com a colheita obrigatória das consequências. Nada que fazemos vem sem consequências, mesmo que elas demorem a chegar ou a serem notadas. Inclusive, é justamente entre os ignorantes que estão as pessoas que menos notam a consequência das coisas, sendo isso, portanto, o principal motivo pelas decisões pouco inteligentes destes indivíduos. Quando assistimos conteúdos de humor, rimos, muitas vezes, das trapalhadas que o ser humano consegue fazer ou dizer. De alguma forma, rimos daquilo que nos parece incabível demais pra ser levado a sério. Contudo, séries de desenho animado como “Os Simpsons”, nos faz lembrar que grande parte da sociedade real é passível de piada. Se procurarmos com um pouco mais de sinceridade, certamente encontraremos em muitos de nós, inúmeras atitudes, pensamentos ou intenções, que nos tornam ridículos. Sabendo disso, precisamos estar preparados para lidar com essas questões, muito além do simples ato de rir e esquecer de tudo após o fim de um episódio televisivo.

A ignorância é o que faz, por exemplo, uma pessoa ser vítima fácil de uma notícia falsa ou um estelionatário. Quem desconhece a realidade, acaba por ser como um papel em branco que tudo aceita. Aquele que nada conhece sobre a vida, não tem parâmetros e nem memória pra se orientar sobre o que é suspeito, estranho, problemático, falho, inverídico, perigoso, etc. A criança que nunca viu o fogo agir, certamente, corre o risco de queimar a mão diante da curiosidade pela chama luminosa. O esclarecimento sobre os perigos do fogo e a reiteração de que o fogo é perigoso, através das demonstrações de como ele sobreaquece tudo, como ele destrói as coisas e como ele pode sair de controle se for negligenciado, são formas de instruir uma criança ou leigo sobre o funcionamento do fogo, o uso correto desta ferramenta e as precauções diante do tema. De maneira semelhante, instruir pessoas na sociedade sobre todas as demais questões, as ajudará a lidar melhor naquilo que elas não possuem, inicialmente, nenhuma prática ou afinidade.

Em situações difíceis como a do Brasil nos diversos setores, é preciso, mais do que tudo, investir pesado na transformação das pessoas, no discernimento da realidade, na valorização de si mesmas, na valorização do raciocínio, do conhecimento, da intelectualidade, do embasamento, do discurso, da reflexão e do preparo pra que estas pessoas transformadas sejam também agentes de transformação nos próximos indivíduos. É desse ciclo perpétuo que extrairemos alguma chance de nos tornarmos um coletivo que consegue desfrutar de cada vez mais qualidade de vida. Qualquer país com qualidade de vida (e, claramente, Estados Unidos e Brasil não são um deles), o investimento no que realmente importa é a prioridade sempre. No Brasil, a maioria dos políticos, por questões de agenda ideológica, parece ter como principal atividade a desvalorização de tudo que é urgente, justamente para enfraquecer a mente do brasileiro médio, tornando-o mais fácil de ser controlado e subjugado. É tarefa constante para tais políticos mencionados, ampliar, dia após dia, os mecanismos de cerceamento da autonomia, do aprendizado, da liberdade e da reflexão, tal como os exploradores da vida alheia que colocam cabrestos em cavalos e similares, para melhor poder conduzi-los até o destino, sem que os animais se distraiam com os perigos que os circundam. Aliado ao cabresto, está o freio, um mecanismo covarde colocado na boca do cavalo, que tensiona a língua para que ele desista de uma reação livre, pelo condicionamento à punição que é controlada pelas rédeas do explorador que o monta.

Para se ver próximo da tão sonhada liberdade e qualidade de vida, é preciso se aproximar de tudo que alguém lhe oferece rumo à transformação do seu ser. De nada adiantará ter acesso à uma Universidade, por exemplo, se sua consciência política e social é nula. De nada servirá um salário, se lhe falta discernimento sobre como fazer bom proveito do dinheiro. Toda conquista social deve incluir avanços paralelos em todos os setores. Entender seus direitos, seus valores e seus potenciais, lhe ajudará a tomar decisões mais inteligentes e úteis em tudo que você for fazer ou falar. Quando você tem bem claro na sua mente quais são as prioridades em determinado assunto, você consegue agir de forma coerente, se afastando da ignorância e, portanto, das consequências tristes dela. Em resumo, você ganha qualidade de vida, colhe coisas úteis por saber como plantar coisas úteis. Essa regra de realidade nunca vai mudar. Quanto mais você aprende, mais você reforça essa verdade. E quanto mais verdades um coletivo conhece, mais força tem pra exigir o necessário.

Se você observar a sociedade ao redor, verá um mar de gente errando e errando muito. Embora hajam todos os níveis de equívoco em uma sociedade, se a maior parte da população fica largada ao acaso, o grau dos erros começam a subir pra todos em velocidade espantosa. Por isso, a base é sempre a prioridade de uma ação. Você deve sempre tentar apoiar e instruir as pessoas que estão iniciando a jornada na vida. Repassar seu conhecimento e suas ferramentas de transformação para crianças, adolescentes, cidadãos que estão começando a ter noção de História, de Política, de Sociologia, de Economia, de Trabalho ou qualquer tema primário que afete ele diretamente em sua existência no coletivo. Você nunca conseguirá fazer uma pessoa vencer a si mesma, se negar-lhe o direito de se conhecer e de conhecer o mundo. Se a informação e o esclarecimento não chega em todos os cantos, é papel dos detentores da informação, levar isso a quem não tem. Mas, esteja atento! Isso não pode ser, jamais, um pretexto para o nefasto papel de levar ainda mais alienação às pessoas. Você não pode usar o pretexto da informação, para iludir pessoas, desinformá-las sobre a verdade, convencê-las a força de suas crenças ou preferências pessoais, fomentar pensamentos equivocados ou preconceitos, entre outros lixos tóxicos. Há uma frase de Paulo Freire que diz:

“Quando a educação não é libertadora, a vontade do oprimido é de ser opressor.”

A liberdade conquistada, quando realmente é uma liberdade, visa transformar o entorno em um coletivo igualmente livre. Aquele que desperta de alguma ilusão qualquer que seja, caso veja-se livre pela visão obtida, deseja que o próximo também tenha o direito a esta percepção. Mas, entenda que o direito não é um dever. Retornamos para a ideia de que as pessoas devem ser livres inclusive para errar, senão não é liberdade de fato. Montar uma casa em cima de um frágil bambu é um direito, mas tal ignorância de ato não virá sem uma consequência automática, como já explicado inicialmente. Dito tudo isso, quando uma pessoa conquista o direito de pensar o que quiser, ela arca com as consequências da gerência que faz de seus próprios pensamentos e atos derivados. Agora comece a pensar na consequência de tapar os olhos e a mente diante dos riscos de uma casa em cima de um bambu; de idolatrar políticos imorais que financiam notícias falsas pra tirar proveito fácil de ignorantes que acreditam em tudo; de pseudo-jornalistas que plantam o medo e a discórdia na população ignorante que torna-se facilmente reativa e inconsequente; dos carrascos que riem da cara de seus apoiadores que são pisados e usados em benefício próprio, etc.

A ignorância nunca lhe trará nada de bom, apenas prejuízos. Você nunca se verá livre, próspero, satisfeito, feliz ou com qualidade de vida, por manter-se ignorante sobre as coisas. Não conheço ninguém que prefira ser enganado por um estelionatário ou alguém que prefira ter a casa ruindo ao chão. Se ninguém quer levar prejuízo, porque é que algumas pessoas continuam fazendo as decisões erradas? Porque será que continuam construindo casas em cima de bambus e continuam desinformadas sobre a vida que lhes usa e abusa? A resposta é simples e direta: a ignorância está presente. A boa notícia é que ninguém precisa se contentar com a ignorância, podendo sempre dar espaço pra que ela venha a ser limpa, transformada e substituída em algo que agregue conhecimento, noção, valores, princípios, dignidade, compreensão, visão, velocidade de reação, etc. Quando você investe em você mesmo, se livrando da ignorância, você entende, entre outras coisas, que você é livre pra pensar sozinho, pensar fundo, pensar diferente, pensar de forma mais complexa e completa. Quando você rejeita a ignorância, você se ajuda, você constrói sua vida de maneira mais realista e assertiva. Foi assim com o pedreiro que aprendeu a fazer colunas e vigas, a montar lajes e paredes e a discernir a quantidade necessária de concreto, pra consolidar uma ideia de projeto. Tão importante quanto sonhar / desejar ter a casa construída, é saber como funciona a construção e quais os assuntos que você vai precisar dominar antes de se arriscar debaixo de toneladas de concreto.

Com essa analogia da construção, coloque-se no papel de morador de sua própria vida. Comece a construir sua sociedade, seu bairro, sua escola, sua família, seu grupo de trabalho, seu círculo de amizades, seu espaço de informação e apoio na internet, suas fontes de aprendizado, seu espaços para exercer arte, cultura, reflexão, interpretação de texto, interpretação da realidade, observação crítica e observação criteriosa. Comece a tomar voz para si e comece a ser independente. Como diz o ditado popular, a plantação é opcional às vezes, mas a colheita é sempre obrigatória. Então, escolha com muito carinho as sementes que você vai plantar, porque lá na frente, mesmo que você não tenha capacidade ainda de perceber, virão as consequências de tudo que você foi, fez, pensou, disse e apoiou. Não se deixe levar pelas coisas simplistas, evitando, assim, ser enganado e tropeçar justamente nos problemas que tentaram te vender como soluções. Abra o olho, senão vão implementar ainda mais projetos pra te manter em uma ignorância ainda mais funda. O sonho de muitos exploradores é ver seus explorados convencidos de que não estão sendo explorados, mas apoiados. As vítimas que se deixam levar por essa imensa ilusão, são descritas como tendo a chamada ‘Síndrome de Estocolmo’, onde o oprimido admira seu próprio opressor.

Esse texto se encerra subitamente, justamente pra criar o espaço necessário pra você exercitar sua autonomia e começar a completar o espaço com seus próprios pensamentos, a reflexão de tudo que aqui foi apontado e a oportunidade de, talvez, começar a planejar melhor o que é que você vai construir no presente, pra não se ver ainda mais derrotado no futuro. Seja lá qual for sua condição, estarei aqui pra continuar meu papel de luta, de esforço pela informação. Desejo que todos um dia, cedo ou tarde, encontrem-se no meio da realidade e consigam, pelo menos, compreender que precisam mergulhar mais a fundo e com sincera autonomia, pra conseguir chegar no bem-estar pessoal e coletivo que desejam, mesmo que estejam perdidos por uma vida confusa de conflitos e sentimentos desconexos, mesmo que tenham caído no equívoco do vício pelo ódio gratuito, pelas ações violentas ou desonestas. Se não é possível mudar as sementes plantadas no passado é, porém, possível escolher quais sementes plantar no presente e ter uma colheita melhor no futuro. Faça sua parte e, se precisar, solicite ajuda, sem precisar sentir vergonha, medo ou qualquer outra coisa que seja uma barreira pra sua mudança. Obrigado por ler e até breve.

Rodrigo Meyer

Anúncios

Como desenvolver conversas produtivas.

Não é de hoje que as pessoas esquecem que nascemos com dois ouvidos, dois olhos, mas apenas uma boca. É muito comum que as pessoas usem da comunicação estritamente para tentar impor, premeditadamente, alguma ideia sobre as outras. Isso começa a se tornar um problema quando é a única (ou mais frequente) forma de comunicação da pessoa. Ao simular uma tentativa de conversa com outros, este tipo de pessoa está sempre procurando uma brecha ou pretexto para inserir alguma informação preconcebida que ela estava conveniente procurando alguém pra ter um pretexto pra falar, mesmo não tendo qualquer necessidade ou encaixe com os demais. De certa forma, são monólogos. Igualmente comum é que duas ou mais pessoas tracem esses monólogos, apesar de estarem juntas em um mesmo espaço de interação, seja na internet ou numa mesa de bar.

Conversas produtivas são aquelas que proporcionam algo além do que já havia inicialmente e que, claro, seja um algo útil para o interlocutor. Conversas produtivas precisam ser, antes de tudo, conversas. Muita gente se esquece que monólogos são facilmente confundidos com conversas, pois estiveram tão habituadas ao egoísmo de só falar, que até na hora de trocar informação com outros, ficam trancados cada um em um monólogo, ousando chamar isso de conversa, devido a substituição recorrente da conversa original pelo monólogo. As pessoas perdem a habilidade de discernir o passado, quando ele é deturpado para que fique apagado.

Acrescentar algo de relevante para outra pessoa depende de quem você é, o que você tem no seu interior e com quem você vai interagir. A combinação de fatores determina se você será apreciado ou rejeitado. É exatamente por isso que algumas pessoas adoram o vazio improdutivo dos monólogos coletivos e outras pessoas não. Para algumas pessoas, o acréscimo do vazio improdutivo cumpre uma função sobre o cenário patológico do indivíduo, quase como a droga que “resolve” a crise de abstinência, mesmo sendo ela mesma um problema (inclusive por gerar crise de abstinência quando falta). Portanto, penso eu, se for pra sentir falta de algo, que seja de algo que soma na minha vida e não de um vazio.

Se você já conseguiu definir quem você é e chegou a conclusão de que realmente quer ter conversas produtivas, aqui vão algumas considerações sobre. Uma conversa produtiva não pode ser uma simples checagem de concordância entre os presentes. Se tudo que você quer saber do outro é se ele concorda ou não com seu pensamento, você já está perdendo tempo nessa interação. O motivo é simples: se a pessoa concorda com seu pensamento, você não tem nada novo pra oferecer a ela e se ela já discorda do seu pensamento, provavelmente você vai apenas se opor e se afastar desta pessoa ou simplesmente ficar numa inútil batalha trocando farpas, cada um com seu posicionamento contrário. Perceba que, seja lá qual dos casos for, não se soma nada. Claro, a menos que o que você busque seja exatamente o já citado vazio improdutivo, com a devida analogia da abstinência de droga.

Em segundo momento, uma conversa produtiva, faz você chegar em visões novas, diferentes, inusitadas, pouco vistas, menos fáceis ou tão fáceis e óbvias que você não tinha pensado como opção para refletir. Conversas precisam traçar conexões entre assuntos diferentes ou, pelo menos, entre pessoas diferentes para um mesmo assunto. Você precisa sentir que está ganhando um presente, um conforto, seja para sua caixa interna de conhecimento, para sua visão de mundo ou para seu estado emocional. Precisam produzir, gerar, acrescentar, fabricar algo que ainda não existia em tipo, qualidade ou quantidade.

Muitas vezes uma conversa não vem acompanhada de fala, deixando os olhares se encontrarem. Decifrar o que o outro é, o que ele vale, o que ele pensa ou sente, também pode nos colocar desarmados diante daquilo, se assim nos permitirmos. Quando duas pessoas estão sintonizadas conversando sobre algo, elas esquecem do passar do tempo e simplesmente tudo que importa vai fluindo. É satisfatório quando mergulhamos no outro sem nos importar com detalhes e aparências e acabamos com os olhos revigorados, a saúde emocional restabelecida, a sanidade ajustada para a direção que nos convém, permitindo que sejamos pessoas mais vividas, com maior número de experiências, com menos covardias, menos hipocrisias, menos mentiras, menos máscaras, menos patologias, menos equívocos, menos inutilidades, longe de qualquer coisa que nos tire a inconfundível humanidade.

Perdemos qualidade de vida quando paramos de viver o necessário. Olhe pras pessoas ao redor e descubra rapidamente quais delas, provavelmente, traçam conversas úteis. Pegue uma fila de banco ou supermercado e note quem são as pessoas que estão satisfeitas com elas mesmas e quais são as que estão apenas tentando fabricar uma interação completamente artificial para projetar uma palavra vazia. Todo dia você vai encontrar diversidade nas pessoas, mas, também muita mesmice nessa diversidade. Em resumo, é bem comum que as pessoas sejam bem diversas no modo como apresentam as mesmices, tal como ter milhares de marcas de roupas, onde todas estas tentam vender padrão social de corpo, moda e consumismo. Esse tipo de diversidade não é uma diversidade útil. É só um vazio viciante a quem se deixa cair por isso.

Uma meta boa de interação humana é conseguir estar de ouvidos abertos para que os interlocutores tenham conforto suficiente para fazer surgir junto a coragem de dizerem coisas profundas, sinceras, espontâneas, verdadeiras, complexas, completas, peculiares, impopulares, nada fáceis, raras, geniais, originais, secretas, ácidas, tristes, bonitas em estado de arte, lapidadas em estado de coerência ou sabedoria, reorganizadas de forma a conseguir convencer que bordões podem ser enojantes diante da honestidade ou simplesmente que existe vida após a mesmice, mesmo que nem toda essa novidade faça realmente muito sentido ou não seja muito duradoura, desde que consiga proporcionar um momento de originalidade, satisfação e diversão, podendo recobrar a razão em outro momento.

Conversa produtiva, pra mim, vem acompanhada de princípios, mas também de humor. Precisa saber encaixar manobras entre um disparo e outro, pra que aquilo se torne uma dança, tal qual é para o corpo que escuta e aprecia uma música e reage com movimentos praticamente inevitáveis. Seria essa a luz responsável pela paz que buscamos? Precisamos experimentar pra tentar responder essa pergunta. Permita-se sentar no chão de um apartamento ou na calçada de um bar, com seu copo na mão, seu olhar atento, seus ouvidos livres da cera do preconceito, mas ágeis o suficiente pra exigirem do cérebro uma resposta inteligente quando ouvirem alguma asneira muito grande. É preciso estar profundamente envolvido com o campo das ideias para preferir infinitas vezes discutir ideias do que discutir pessoas. As fofocas, por exemplo, por discutirem apenas pessoas, caem na toxidade do vício pelo vazio. Pessoas são passageiras, ideias são imortais.

No final das contas, a receita de produtividade em conversas é realmente estar minimamente lapidado, limpo, transformado, tranquilo, pronto, nutrido, embasado, vivido, preenchido de experiências e pontos de vista para mostrar. Quando você se torna a pessoa necessária para a vida, a vida se torna um ambiente fácil de se desfrutar. Você precisa corrigir primeiro a si mesmo e depois, junto com outras também corrigidas, procurar e encontrar os lugares e momentos onde vocês se sintam confortáveis e ao mesmo tempo desafiados. Que seja um lugar com pouca ou nenhuma rotina, mas que tenha a atmosfera necessária pra te deixar confiante e tranquilo em ser, ver, estar e fazer aquilo que você tem sinceramente pra oferecer, sem máscaras, sem fachadas, sem padrões inventados, sem olhares atravessados, sem desconfianças, sem medos, sem inseguranças, sem qualquer tipo de barreira inútil que tire de você a individualidade e atue como uma ferramenta extra que abra portas, aperte parafusos, raspe a ferrugem, solde pedaços soltos, etc.

Este texto, talvez, esteja abstrato demais, uma vez que tenta incluir na equação as diferentes ideias das diferentes pessoas que possam estar imaginando os cenários particulares / específicos em suas próprias mentes e vidas. Eu não sei exatamente quais são as realidades de cada um que cruza com meus textos. Tudo que eu sei (e parcialmente) é o que carrego dentro de mim e o que espero da realidade em torno. Sei que não quero bocejar diante de um diálogo, nem perder tempo com quem fala muito e diz coisa nenhuma. Não quero estar muito tempo ao lado de quem não consegue fazer mais do que desejar ‘bom dia’ e também sei que o que atiça a minha esperança pela humanidade é saber que tem mais gente do outro lado que pode ser divertida e irreverente enquanto o mundo pega fogo. Eu sei, completamente, que quando vou à um sebo passear no aroma envelhecido dos livros, quero alguém que, por exemplo, se convide pra ir junto, só pra exigir que o vendedor dê o preço pela loja toda, pois quer aquele sebo como casa pra morar e que, por não ter sequer uma cozinha, espera que seja feito um bom desconto. Se não for pra brincar com as palavras e situações assim, com as possibilidades e os momentos, dançando junto com as personalidades, não há motivo pra gastar energia em uma interação. Viver custa caro, nos aponta faturas simbólicas todos os dias e precisamos de outras pessoas que nos ajudem a pagar essa conta, multiplicando o capital intelectual, emocional e energético. Precisamos rir do que é incerto, abraçar a coerência, explorar o mistério, vencer em ambientes desconhecidos pelo simples motivo de poder chegar na velhice (ou no finado dia da juventude) e ter algo valioso pra recordar e deixar que a humanidade (ou pelo menos teus amigos e/ou conhecidos) tenham o que herdar.

Você não precisa estar em contato todos os dias, nem precisa escrever um livro ou ter as viagens e experiências mais longas ou esquisitas. Só precisa estar bem encaixado em seu próprio ser, mesmo que (ou principalmente) se sinta desencaixado no mundo. Precisa ter descoberto a sua personalidade verdadeira e não aquela máscara que muitos se esquecem de tirar a vida inteira, mesmo quando bebem, transam ou vão dormir. Você precisa se livrar das correntes pra só depois descobrir quão livre e inteligente você foi, é ou pode ser. Talvez os outros pesem um pouco na sua liberdade, mas, sob certo sentido, a tua liberdade, mesmo quando tentam removê-la, é algo totalmente sobre você. O primeiro passo para tentar ver-se livre é a decisão que você toma na vida sobre quem você é, quem o mundo é e o que você pode fazer a respeito disso tudo. Eu escolho sentar e conversar, escolho virar uma esquina mais de uma vez, só pra descobrir o que mudou, o que repetiu e o que nunca existiu. Primeiras impressões continuam sendo importantes, mas elas não vão nunca me dar as respostas que eu preciso, pois as boas respostas estão sempre abaixo de outras ainda melhores. Eu sigo sempre adiante, em mergulhos cada vez mais fundos. Eu vou e volto várias vezes no mesmo lago, até entender qual é a relação entre as ondas na água e o meu nado. Saio de lá molhado, mas saio de lá com muito mais do que água escorrendo no corpo.

A minha bagagem vem das minhas frases ditas e também das não ditas, das bocas que eu toquei, dos momentos de sexo interrompidos, dos livros que me encontraram enquanto eu estava igualmente perdido, dos idiomas que eu esqueci de aprender e também daqueles que eu insisto e não esquecer. Minha bagagem de conversa aceita café, água, whisky, festa, silêncio, promessa, viagens e passeios no meio da floresta. Todas as minhas memórias estiveram pelo chão das casas noturnas, pelos convites em cima da hora, pelos trens com nomes difíceis de pronunciar. Eram aquela senhora idosa catando latas de alumínio para a reciclagem, a dona do bar namorando um cliente alcoólatra e também o garçom escritor daquela cidade que ninguém nunca ouviu falar. Trago comigo as frases, gírias, manias e todo tipo de comentário corrompido que precise ser reformado e completado pra fazer florescer o brilho do sentido que já existia. Devolvo perguntas estúpidas com perguntas piores, deixando claro a desvantagem em andar pra trás. Eu corro pra interromper, só pra dizer que é hora de atualizar a bebida ou que está tarde e, por isso mesmo, é a melhor hora pra conversar sobre a vida.

Eu chego sem livros nas mãos, porque assim eu tenho motivos garantidos pra arrastar multidões pra perto do beco dos livros. Se empresto inteligência, quero toda ela de volta, com juros compostos contabilizados. Quero sentar na frente de alguém e ser cobrado de sentar especificamente do lado ou o exato contrário. Quero alguém que fale comigo e não de mim, alguém que entenda bem o jogo de ser ambíguo pra fomentar prazer. Quero alguém que me exija senhas simbólicas pra filtrar as possibilidades entre um portal e outro. Quero alguém que me leve pra conhecer problemas, mas que no mesmo dia me mostra uma das possíveis soluções. Quero alguém que fale comigo sobre suas próprias gambiarras e tecnologias, mesmo que elas não funcionem sob nenhuma ocasião. Quero pessoas contando histórias sem um claro ponto de partida, com um meio bastante estranho e um desfecho surpreendentemente engraçado. Quero poder confiar, mesmo que temporariamente, na grandeza do ser humano e ficar um pouco mais perto de uma vida em que eu possa me orgulhar de ter feito algo positivo, honesto, intenso e aberto, mesmo que, em alguns destes momentos, eu estivesse distorcido, perdido, deprimido, doente à beira de cair em um retrocesso.

Agradeço a todos pelas conversas tidas, as que sigo tendo e as que estou plantando para minhas próximas fases na vida. Estaremos conectados pelos textos, pelas mensagens, pelos convites cada vez mais inusitados. Seja lá onde você estiver, você precisa andar além de si mesmo. Corra muito de um lado pro outro, pra saber onde você realmente está e pra onde você quer ir. Faça da sua vida uma gigante conversa produtiva entre você e sua existência. Tão importante quando ser lúcido é estar em contato com sua essência. Descubra-se para além das frases feitas, das noites repetidas, dos bordões idiotizados, das propagandas gratuitas, do papel de trouxa nos tapas recebidos da vida, nos vícios quadrados que só te jogam em ruas sem saída. Comece a ter iniciativa e leve isso pra sua comunicação, falada e escrita. Seja autor da sua própria história e mesmo que não possa controlar todo desfecho ou audiência, terá sempre material importante pra oferecer. E você? O que tem pra me dizer?

Rodrigo Meyer

O Brasil atual: muito além da pobreza financeira.

A imagem que ilustra este texto é uma adaptação de parte das gravuras de Gustave Doré em “A Divina Comédia” (1861-1868), onde vê-se Charon chegando para transportar almas través do rio Acheron para o Inferno.

Estamos nos aproximando das próximas eleições do Brasil e, devido aos acontecimentos dos últimos anos na política nacional, estamos atualmente num cenário cada vez mais deplorável, enquanto alguns fingem que querem arrumar tudo isso, porque são covardes demais pra dizer o que realmente querem, ao lado estão os corruptos nadando solto, não investigados ou completamente ignorados pela pseudo-Justiça que passou os olhos por estes, rindo da cara dos apoiadores cegos e/ou cúmplices do crime, usando a velha estratégia de apontar pra qualquer inimigo convenientemente inventado, pra desviar a atenção de si mesmos e de seus atos criminosos. De um lado está o brasileiro médio de direita, o clássico racista, xenófobo, machista, analfabeto político, viciado em dinheiro e violência, se masturbando mentalmente diante do caos. Do outro lado, diametralmente oposto, está uma esquerda cansada de tanto tentar um caminho que, pelo menos, seja tolerável pra todos. Tal tarefa, nada fácil e, por vezes, nada coerente, espantou muitas pessoas pra fora das políticas convencionais e abriu portas para um celeiro de problemas que estavam encubados na sociedade.

O Brasil sempre foi um país de péssima qualidade de ensino e estrutura social. Mesmo nos tempos áureos de quando ‘ensino público’ significava ensino de melhor qualidade que o ensino particular, já se tinha uma defasagem brutal sobre o necessário. Não atoa, nos tornamos o que nos tornamos. Estamos caindo de um abismo dia após dia, tentando nos enganchar em alguma pedra que nos freie um pouco ao menos, porém caímos com velocidade suficiente pra levar até mesmo as pedras do caminho pro fundo do abismo.

Em algum momento, no final de 2015 e 2016, o Brasil se deparou com um teatro que já estávamos à espera de acontecer. A direita brasileira, inconformada em não ter mais espaço pra agir na corrupção com tanta liberdade, começou a forçar este espaço, removendo à força as barreiras. Deu-se início a derrubada do governo que mais investiu em mecanismos de investigação e combate à corrupção. Foi exatamente isso que culminou na cartada final de recusa do governo de Dilma Rousseff e também da candidatura da próxima figura provável a substituí-la em uma eleição, Lula. Assim que os corruptos encontraram algum pretexto para a derrubada desta barreira, vestiram-se de péssimos atores e se posicionaram como heróis pra uma classe de pessoas que ou não compreendiam absolutamente nada de política ou eram perfeitamente cúmplices dos crimes ali praticados em nome da pseudo-necessidade de combater uma má gestão política ou os rumos do país. Atrelados a discursos que transbordavam chavões e frases decoradas criadas pelos seus ventríloquos, os bonecos manipulados se tornaram muitos. Foi basicamente como ver um aglomerado de moscas encontrando fezes em abundância com respaldo forjado da constituição, a mesma constituição que foi rasgada na ocasião do golpe político nomeado de ‘Impeachment’, para dar um ar de legalidade ao feito e dar algum alívio pras marionetes que, de tão covardes, não conseguiriam admitir as verdadeiras intenções, ideologias e modus operandi na vida, já que, pra estes, a fachada é muito mais importante que a realidade. Pra este tipo de gente, não há problema algum em racismo, homofobia, machismo, xenofobia, ódio de classes, corrupção e falsa religiosidade, pois só o que os incomoda é ter que nomear todas essas características com estes reais nomes, ao invés de máscaras inúteis que nem eles e nem os opositores acreditam ou se importam. No fim, só estão tentando completar algum capricho diante do próprio medo de se classificarem como realmente são. De maneira análoga (e isso inclui até mesmo muitos dos já citados), ocorre com os pseudo-cristãos que, na hipótese de retorno de seu suposto ídolo central (Jesus Cristo), o odiariam e o perseguiriam até a morte por tudo que ele é e representa. Ironicamente, as pessoas que mais abominam a ideologia de Cristo, estão entre os que se dizem cristãos. Essa aparente contradição, na verdade se explica pelo fato de que todos estes, na verdade, são completamente ateus, mas encontraram um esconderijo parcialmente conveniente atrás dessas etiquetas, como uma forma de continuar a exercer de forma compulsiva a hipocrisia.

Mesmo que você alegasse à eles que estes rótulos falsos são desnecessários, eles não teriam a minúscula coragem de abandoná-los na hora de forjar um igualmente desnecessário personagem social. Para eles, esse joguete de palavras, bordões, máscaras, etiquetas, nomes e denominações, são puro prazer. É como o prazer de ter algo simples que não exige complexidade de pensamento algum. É o prazer obtido em não precisar pensar uma senha de 8 dígitos segura, enquanto ainda puderem usar uma senha altamente insegura de 2 dígitos. É o mesmo prazer de só terem que se preocupar com a primeira e única definição do dicionário sobre um determinado verbete e, assim, não terem que lidar com a complexidade de significados que ‘fobia’ traz como sufixo de palavras. São as mesmas pessoas que gostam de polir a ignorância com cera de demência, ao tentar dizer que hidrofobia é somente ‘medo de água’, quando na verdade, um material hidrofóbico pode ser, por exemplo, também um material que repele a água. Para os menos esclarecidos, por pura conveniência em continuarem ignorantes e simplistas, um tecido hidrofóbico seria um tecido que tem medo de água, pois tudo que eles aceitaram convenientemente aceitar é que ‘fobia’ só pode representar medo, pois assim facilita a tentativa de inventar argumentação para a ‘homofobia’, por exemplo, bastando citar, pateticamente, que não possuem medo algum de homossexuais, portanto não sendo homofóbicos. Este foi um simples exemplo da estrutura de pensamento que percorre as mentes bizarramente fracas e/ou desonestas dessa massa de manobra que espuma ódio e tristeza, cujos membros continuam deprimidos e infelizes tanto em ver a si mesmos longe de qualquer plenitude, como por ver que suas presenças só visam destruir a conquista alheia. Cientes de que nunca ganham por lado nenhum, precisam, constantemente, compensar essa insatisfação, inventando metas constantes de “vitória”. Para alguns, vencer é ver o opositor atacado, é ver uma feminista estuprada, é ver um pobre morto, é ver um libertário agredido, é ver um opositor preso ilegalmente, é todo mundo odiado por exporem as feridas da sociedade que os frouxos não possuem coragem e/ou competência de resolver.

Atualmente passamos vergonha internacional, por figurar em todos os noticiários  estrangeiros como o país que chafurda no terrível contexto absurdo de ter que escolher se elege pessoas tentando um plano de governo ou elegem uma figura que, sozinho, por conta própria, se orgulha em dizer que não tem nenhuma capacidade de governar, nenhum conhecimento sobre política e que só estará presente em entrevistas e debates para responder estritamente o que achar conveniente, já que notou que passou vergonha imensa ao não saber sequer responder perguntas simples e banais sobre a realidade política do país e as metas e/ou pensamentos para o suposto governo pretendido com estas Eleições de 2018.

Enquanto o brasileiro conquista novos níveis de recusa em vários países da Europa e do mundo, por conta das insanidades ditas, apoiadas e replicadas dentro e fora da internet, os próprios indivíduos que são o motivo desses problemas, estão tão cegos sobre sua própria condição de ignorantes que jamais teriam como parar, sentar e refletir o quanto são inaptos a opinar, pensar, planejar, decidir ou votar sobre qualquer assunto que envolva a realidade. Antes fosse isso uma mera ofensa, dessas que se joga em cima do balcão de um boteco. Seria menos trágico. A realidade é que, ter que dizer essas verdades, não me agrada em nada. É deplorável e desesperador ter que constatar que o brasileiro médio é uma fábrica tragicômica de problemas. E é tão real, que o simples fato de eu explicar isso, faz brotar pessoas argumentando que eu só digo isso pra tentar atacá-los ou adjetivá-los. Mal sabem que, o meu maior sonho, assim como de muitos outros é justamente não precisar mais descrever o brasileiro médio da forma como ele tem sido até hoje. Quisera eu poder escrever um texto ainda em vida, com a grata oportunidade de descrever o brasileiro como alguém que verdadeiramente recusa corrupção, que tem autonomia de pensamento, que consegue argumentar com lógica e se abstém do uso de falácias, bordões, frases fabricadas / frases de efeito, que consegue interpretar um texto ao invés de se transformar numa máquina veloz de deturpação, dedução rasa, equívocos e desprezo pela Literatura, Filosofia, Sociologia, Economia, Política, Ciência, etc.

No ritmo que as coisas estão, eu não tenho muita esperança de que eu verei o Brasil melhorar nos aspectos mais urgentes. Continuaremos a ver as pessoas voltarem pra antes da Idade Média, onde ainda se discutia se a Terra era plana ou não. Estamos cercados de pessoas odiosas, que não somam absolutamente nada em setor nenhum, que pesam imensamente nas costas de todo e qualquer outro ser vivente, ainda que pesem mais em uns que em outros, conforme o nível de contraste de prática e pensamento. Vivemos em tempos onde as pessoas ainda precisam de rótulos e, pior que isso, de rótulos que expressam o oposto do que são. A humanidade cruzou tantas e tantas eras e parece que, de tempos em tempos, regredimos ao passado remoto. Talvez seja isso que explique como tardamos a descobrir estrelas que as civilizações antigas já conheciam bem. Talvez esse seja o motivo de tecnologias antigas precisarem ser redescobertas por já terem ficado perdidas e desaprendidas. Idiomas são mortos, livros se perdem, habilidades são esquecidas e, no final das curtas contas, parece que o ser humano não sabe mais usar a única parte do corpo que verdadeiramente teria algum potencial especial: o cérebro. Estamos abrindo mão da nossa melhor ferramenta de construir um mundo decente que nos provenha conforto e facilidades, em detrimento do nosso vício de continuarmos sendo usados, feito as pessoas com distimia que são carregadas pelas situações, sem um posicionamento marcante ou autônomo. O ser humano parece estar dopado, sendo levado pelas asneiras de meia-dúzia de infelizes que querem o dinheiro e a disposição deles gastas em propagandas “espontâneas” e gratuitas, tal como ocorre na vítima de Síndrome de Estocolmo, que se dispõem a falar bem de seu próprio opressor, simplesmente por estar completamente incapacitada de enxergar sua própria realidade e condição. Na ausência de sensores que lhes acusem a realidade, as pessoas boiam nesse mar de sangue e ignorância, sentindo-se no controle de tudo e dando como “prova” desse controle, as linhas que não partem de suas mãos, mas das mãos dos ventríloquos que lucram (e muito) às custas dos apoiadores. Mais intrigante do que ser um ignorante desonesto rico é ser um ignorante desonesto pobre. Meia dúzia ocupa as pseudo-lideranças e o restante da massa de manobra continua ocupando a base da pirâmide, longe de qualquer verdadeira qualidade de vida.

Não é de se espantar que, nos últimos anos, houve uma onda imensa de migração de brasileiros reacionários, pseudo-patriotas, tentando a vida no exterior, bem longe da imundice que ajudaram a disseminar no Brasil, mesmo sabendo que lá fora teriam condições deploráveis de trabalho e ainda teriam que se contentar calados com governos expressamente contrários a sua ideologia. Os mesmos brasileiros que gritavam contra o projeto “Bolsa Família” no Brasil, simplesmente por este ter sido ampliado pelos governos opositores, desejam ardentemente receber similares benefícios nos países alheios, sem nenhuma objeção ou constrangimento. Isso reflete que a questão nunca foi sobre um verdadeiro posicionamento sobre política ou administração, mas simplesmente o resultado randômico de serem papagaio de piratas a vida inteira, marionetes em território nacional, em um contexto específico forjado que evidenciou que eles foram jogados a vida inteira contra um país deteriorado, contra monstros imaginários, para gastarem o tempo guerreando ao invés de notarem que estavam sendo saqueados e tendo seus direitos e valores eliminados. Com o tempo, se deram conta que andar pra trás não ajudava a chegar em objetivo nenhum e que, na verdade, muitos que se achavam ricos, eram tão pobres quanto os demais a quem eles insistiam em desprezar, odiar e enxergar como inimigos.

Hoje, de forma tragicômica, figuram no exterior, pessoas que largaram seus títulos, diplomas,  faculdades, carros, casas e salários, pra ir viver com rendas mais baixas do que os piores salários praticados no Brasil, simplesmente pra poder ostentar mais uma etiqueta estúpida e ilusória de “morador da Europa”. Será que sabem estes que entre os próprios europeus existe a fuga massiva em busca de outras possibilidades na vida, que não aquelas migalhas que o brasileiro está idolatrando? Em Portugal, por exemplo, os jovens, há muito tempo, saíram pra outros países da União Europeia em busca de trabalho, estudo e outros cenários de existência que lhes parecessem um pouco mais dignos ou de acordo com seus ideais. Ironicamente, nos destinos pra onde estes portugueses normalmente iam, estão os jovens nativos que, igualmente, optaram por sair dali e ir pra outros destinos. A migração em si não é problema algum. As pessoas estão sempre em busca de encontrarem-se em algum canto do mundo. O triste mesmo é a hipocrisia de muitos brasileiros que, vão ser imigrantes na casa alheia, mas despejam ódio e xenofobia contra os imigrantes que chegam no Brasil. Muitas vezes, são os mesmos que aplaudem a expulsão de imigrantes em todos os países, mas se cagam nas calças de serem eles mesmos deportados pra fora, por estarem ilegais em terra alheia, desempregados, implorando pela ajuda e atenção de outras pessoas, apesar de, eles mesmos, nunca terem ajudado ninguém no próprio país em que nasceram. Os mesmos que fechavam os vidros dos carros quando se aproximava um vendedor ou morador de rua, agora sentem-se rejeitados quando um estrangeiro não lhes dá plena confiança se notarem que trouxeram de fora a imundice do fascismo, da falta de educação, do desrespeito, do “jeitinho brasileiro” de descumprir o certo, do machismo, da arrogância, da corrupção e da, já famosa, posição de povo mais mal-educado de toda a internet. O que será que espera esse povo, que não consegue administrar a própria contradição e quer decidir sobre a administração de um país inteiro? Como querem conquistar coisas melhores na vida, se tudo que fazem é cuspir mensagens prontas de teor motivacional, sem que acreditem ou pratiquem uma única vírgula daquilo? Como querem colher salários melhores, se estão lutando pra destruição da própria educação? Como esperam se integrar em uma cultura e sociedade lá fora, se carregam vícios primariamente incompatíveis com o que lá se desenvolve como valor mínimo? Como podem querer emplacar seus diplomas escolares, se, ao mesmo tempo, querem contestar a própria Alemanha sobre o fato do Nazismo ter sido um movimento de direita? Que tipo de terraplanistas são estes que vão querer ocupar cargos de astrônomos em terras alheias sem serem vistos como uma falha social bizarra e aleatória? O que esperam estas pessoas somar se o máximo que fazem é procurar ignorantes do mesmo naipe e grau de distúrbio, pra disseminar seus ódios e preconceitos em manada?

O brasileiro médio não é levado a sério nem dentro e nem fora do Brasil. E se não mudar de postura imediatamente, não vai ser levado a sério nem dentro da Terra. No Brasil faltam muitas coisas, mas o dinheiro é apenas uma delas e, nem de longe, a maior.

Rodrigo Meyer

Crônica | Pensar é crime.

Por quase todo canto que chego, as pessoas querem que eu abdique do cérebro, da reflexão, do questionamento, da verdade, da curiosidade, do raciocínio, da inteligência e do senso crítico. Se incomodam com tudo isso, porque isso evidenciava aquilo que eles mesmos não querem fazer. E não fazem. Se eu estivesse apenas feito um zumbi rindo de uma asneira qualquer, assistindo algum lixo tóxico da televisão ou internet, gastando meu tempo em conversas de elevador, ou gritando aleatoriamente, estaria camuflado entre estes. Mas, escolhi fazer diferente, escolhi, desde cedo, ser eu mesmo, alguém que já tinha esse impulso nato pela curiosidade e, feliz ou infelizmente, uma inteligência acima da média. Não é algo pra se gabar, ainda mais em um mundo onde tal exceção é um fardo para a socialização e aceitação da sociedade precária. Quando temos visão melhor e mais rápida sobre as coisas, não nos contentamos com a maioria das coisas. Depressão? Claro, veio como um tiro, desde criança. Mas, se eu pudesse escolher estar na média? Não sei. Dizem que os idiotas são mais felizes, justamente porque não veem problema em nada e se contentam com pouco. Mas será que valeria a pena atravancar as possibilidades de progresso e satisfação pessoal, só pra ter essa ilusão de felicidade? Reflexões! Reflexões que só são possíveis justamente porque estou onde estou, sou quem sou e faço o que faço. Eu gosto mesmo é de pensar. Sou contemplador e explorador da vida, no sentido mais aventureiro, nessa trilha de mistérios que é o Universo. Cada vez que eu penso, evidencio um não-pensante, mesmo sem querer. Aquilo que eles não entendem (ou não querem tentar entender), soa como errado, soberba, rispidez, insistência. Durante minha vida toda, simplesmente por escrever, muitos achavam que eu queria ser mais do que era. O que eu sei é que eles queriam ser menos do que poderiam ser. E foram. E todos os lados perdem com isso.

Rodrigo Meyer

Crônica | Sou meu próprio presente.

Acordei sem dor. Sinal do corpo se adaptando. Foi uma ótima noite de sono. Sonhei como geralmente sonho: boas realidades intensas. Eu gosto muito mais é de sonhar. Lá as coisas são mais vivas. Acordado, mesmo na melhor das situações, é tudo sem sal, sem moral, sem aquele toque de mistério, de perspicácia. Meus sonhos são ocorrências inteligentes. Não sei se isso depende da minha inteligência ou se simplesmente sou contemplado com algo maior e melhor que eu. O que eu sei é que eu sempre fui muito grato aos meus sonhos. Aproveitei a oportunidade e sentei na cadeira pra escrever. Essa é a rotina que todo autor deveria ter. Hoje me sobra tempo, mas ainda não estou pleno. Sinto falta de me aconchegar com um café sobre a mesa e criar. O que liberta e dignifica não é o trabalho, mas o apreço por trabalhar. Em um mundo onde a maioria é infeliz com o trabalho obrigatório em uma atividade que detesta, eu prefiro a fome do que um tapa na minha dignidade. Prioridades.

Rodrigo Meyer

Até onde você explora sua mente?

O potencial humano pode variar muito, dependendo do ambiente, do histórico, das influências, da personalidade, das características genéticas e muito mais. Não sabemos exatamente o tudo que pode determinar a diversidade de pessoas que encontramos no mundo, com seus pensamentos tão variados. As pessoas são livres pra experimentar suas próprias transformações, mas sabemos que, apesar dessa liberdade, inúmeras barreiras são impostas pelas próprias pessoas, ao validarem a limitação imposta por outras pessoas e contextos.

Em tempos de internet, não há desculpas mais para deixar não expandir o conhecimento. Experiências de todo tipo, sobre todas as temáticas com pessoas do mundo todo, são uma realidade há umas duas décadas já. As pessoas se esquecem que a vida não é feita só das coisas populares, das modas e da superficialidade da cultura. Há um universo gigantesco de velhas e novas coisas ainda pouco exploradas, esquecidas nos porões da realidade onde poucos se empenham em visitar.

As pessoas se acostumam tanto com as grandes mídias que se esquecem que é justamente nas pequenas que estão grande parte das informações mais preciosas. Aquilo que não chega pelo mainstream e a seletividade perigosa de certas mídias maiores, acaba por ficar restrito em produções menores, de pessoas isoladas ou pequenos grupos que, embora não tenham tanta popularidade, figuram como grandes mentes, grandes personalidades, grandes criadores, peças-chave para a criação de ferramentas relevantes pra um mundo diferente, um mundo alternativo.

É preocupante ver que as pessoas se empenham em fortalecer conteúdos pobres ao redor, apenas porque se veem bem representados em suas próprias pobrezas de valores e conteúdos. Quem pouco pensa, pouco exige. Para um público idiotizado e que tem desprazer em pensar, é compreensível que prefiram ficar babando diante de seus próprios opressores, contemplando, tornando-os mais famosos, mais ricos, mais comentados, mais populares, mais poderosos.

Não é difícil perceber que existe um número assustador de pessoas que agradece por cada chicotada que recebe nos olhos. Confira as estatísticas do Youtube, por exemplo, e perceberá que a grande massa das pessoas se entretém sendo chamadas, indiretamente, de idiotas, sendo alimentadas com conteúdos falsos, coisas que não são de fato engraçadas, todo tipo de idiotismo, violência, ofensa, ostentação de luxo e lixo e todo tipo de conteúdo que não só não agrega pro intelecto, como também não agrega pra que as pessoas se tornem mais felizes, mais tranquilas, mais úteis, etc.

O entretenimento se tornou, com raras exceções, um aglomerado de pessoas desnecessárias, fazendo o desnecessário para um público igualmente desnecessário. Juntos, eles formam uma combinação explosiva que destrói as esperanças de qualquer país e até mesmo da humanidade de forma geral. Há quem pense que isso é um exagero. As pessoas desconhecem os números de como o mundo vai mal.

Fezes gravadas com iluminação profissional, um super microfone e efeitos de edição, transformam aquela mesma privada cheia de diarreia na nova forma de se lucrar muito dinheiro às custas das moscas travestidas de público que digerem empolgadas cada partícula daquilo. E se alguém chega pra se opor à essa terrível tendência, logo vira alvo de reações, afinal, ninguém que está nessa postura gosta de ser lembrado de que está. As pessoas querem ser idiotas, porém sem serem lembradas de que são. Essa contradição faz parte da idiotice, inclusive.

Por onde anda a mente das pessoas? Se do lado de lá, muita gente não está fazendo bom uso desse estranho recheio que ocupa o crânio, o que é que podemos fazer pra compensar isso ou se afastar dessa realidade? Muito. Somos pessoas com imenso potencial. Enquanto desperdiçarmos nosso tempo, dinheiro e energia com o que não agrega pro nosso crescimento pessoal, a lapidação de nossa personalidade, nosso conhecimento e nosso entendimento do mundo, jamais seremos merecedores de habitar o planeta. Animais equivocadamente classificados como “inferiores” por muitos seres humanos, despontam, desde sempre, em diversos aspectos, à frente de praticamente todos as pessoas e, mais que isso, sem nenhum grande esforço, já que agem, basicamente, sob os princípios mais elementares da necessidade, do bem-estar, da vantagem, do aprendizado e da socialização.

A razão disso parece ser que, embora o ser humano tenha imenso potencial para fazer grandes coisas no mundo com seu intelecto, ele subaproveita suas capacidades, limitando-se por opção. É uma preguiça somada à um efeito bola-de-neve de não incentivo a intelectualidade, ao necessário, ao justo, ao honesto, ao decente, ao interessante, ao relevante. Acostumados a tentar viver sempre na base da pequenez, perdem o interesse de fazer mais do que aquilo que já sabem que muita gente aplaudirá, mesmo sendo terrivelmente ruim e desnecessário. Assim, a bola-de-neve cresce e cresce e, mesmo depois de décadas, não veem necessidade de deixar de produzir e consumir a idiotice, pois sabem que ela continua a ter demanda e, portanto, a ser lucrativa.

Prometo que cada vez menos tocarei nessa ferida da realidade que tanto incomoda os que fazem parte desse tragicômico sistema. A cada novo texto que vou criando por aqui, como em todas as mais de 15 mídias de temas diferentes, vou apontando pra todos os novos tesouros que encontro pelo caminho, ao invés de anunciar em vão que o mundo está cada vez mais sem saída. Mas, para uma humanidade que tem Síndrome de Estocolmo, não há muito que possamos dizer ou fazer, porque os escravizados já se tornaram defensores ferrenhos de seus próprios opressores. Apaixonaram-se pela desgraça de tal maneira, que qualquer um que proponha bem-estar torna-se, automaticamente, o maior dos inimigos para tais pessoas.

Se chegarmos a qualquer beco popular deste mundo e anunciarmos qualquer coisa atípica, passaremos por esquisitos, presunçosos, elitistas. Seremos, geralmente, mal vistos, percebidos como inimigos invejosos que chegam apenas para criticar o “sucesso” alheio. Raras são as pessoas que terão condições de enxergar que nesse conflito habita a questão maior que é pouco vista e refletida, que é a própria Síndrome de Estocolmo e o idiotismo que chafurda nessa lama toda de vícios e equívocos. Poucos serão os seres humanos que admitirão que o vício em poder e ignorância os levou longe demais e que agora já não conseguem sequer se imaginarem bem com qualquer outra coisa que não seja estritamente isso, mesmo que apenas na eterna tentativa sem nunca terem de fato alcançado. Mas, mesmo quando não conseguem tal ideal, passam a defender quem conseguiu. Vira a cultura de culto ao inculto. E o oculto? Desaparece bem diante dos olhos dos que pensam ser videntes, na terra dos que não possuem sequer os dentes.

Vamos em frente. Vamos pela arte, vamos cruzando os países, enquanto as fronteiras ainda não estão fechadas ou fundidas pela colonização forçada dos povos, pelas guerras, pelo extermínio das culturas e dos focos de resistência. Vamos escrevendo, falando, lendo, pensando, exercendo. Vamos plantando sementes, deixando a fagulha cada vez mais próxima da gasolina. Vamos falar um pouco mais das verdades e tentar, assim, soterrar essa manada de mentiras. Vamos, enquanto ainda há paciência e energia, viajar pra perto das pessoas com as quais a inteligência contagia. Por hora, só vamos. Vamos?!

Rodrigo Meyer

Os robôs da cidade.

Observando pouco, muito pouco, você já consegue notar as pessoas perdidas em seus próprios hábitos. Repetem padrões desnecessários, que seriam facilmente evitáveis se tivessem alguma autonomia e autoconhecimento. Olhando ao redor, você nota que as pessoas estão todas agindo de maneira semelhante e cada vez mais artificiais. São, claro, por isso mesmo, completamente infelizes ou artificialmente ativas em uma falsa felicidade que nada mais é que a atenção diante das iscas à que são apresentadas todos os dias. Como um cavalo que persegue uma cenoura pendurada à sua frente, as pessoas vão caminhando em suas vidas, mesmo que não tenham um motivo próprio pra isso e mesmo que estejam infelizes.

Percorrem as escadarias, as calçadas, os elevadores e ocupam seus postos de trabalho. Todos os dias acordam ao mesmo horário, vestem-se do mesmo jeito, ganham o mesmo salário, conversam as mesmas coisas, veem as mesmas pessoas e falam os mesmos assuntos. Cercam-se dos mesmos desejos, dos mesmos hábitos, das mesmas maneiras e das mesmas pseudo-vontades.

Os robôs da cidade podem ser identificados nas casas lotéricas, persistindo em apostar em jogos improváveis dos quais não os tornarão mais ricos, mas levarão deles até as últimas misérias de moedas que lhes sobram de um salário ou aposentadoria já desesperador.

São também robôs na cidade, aqueles que entram aos supermercados e percorrem sempre a rota prevista pelos comunicadores, publicitários ou profissionais de marketing. Lá estão as pessoas levando uma infinidade de coisas das quais não precisam, mas são tomadas, por impulso, a levar sem questionar. Na frente dos caixas, onde apenas deveriam pagar, são novamente tentados a adquirir mais produtos, antes que se ausentem daquele labirinto tentador de produtos coloridos e bem embalados.

Esses robôs não sabem bem pra onde vão ou porque vão. Estão lá, com certa frequência, tão similar quanto a presença diante das telas do computador, celular ou televisão. Não entendem bem porque estão ouvindo aquelas pessoas falarem diante das câmeras, mas acomodam-se em serem telespectadores passivos de qualquer conteúdo, desde que não precisem pensar por conta própria. Assim como computadores, robôs precisam ser programados. Sem comandos não há ação. Se satisfazem pelo conteúdo mastigado, previamente organizado e propositalmente editado, como já refletido, para que sintam-se livres e leves, como um computador que não precisa mais de tanta memória, poder de processamento e energia pra calcular dados. Apenas armazenam conteúdos preexistentes e tornam-se, frequentemente, um bom player de todo áudio e vídeo que receberam.

Os robôs da cidade distribuem apoio financeiro e emocional a criadores de conteúdo questionáveis. Os mesmos que elevam individualmente suas vidas às custas de um público convenientemente ignorante e passivo. Muita gente disposta a ver, ouvir, replicar, compartilhar e disseminar, de todas as formas possíveis, mesmo que inconscientemente, cada um dos absurdos apresentados como se fossem a última obra prima do Universo.

Os robôs estão em todo canto. É fácil reconhecê-los. As roupas são iguais, as falas são as mesmas, a estrutura de repetição é previsível como encontrar água num oceano. São pessoas fáceis de compreender e difíceis de aceitar. Entre eles, entendem-se relativamente bem, o suficiente pra se sentirem unidos como uma grande família ou grupo de pertença. Mas, como todo robô, entra em conflito fácil com qualquer outro conteúdo que não seja compatível com aquilo que foram previamente programados pra aceitar e compreender.

Assim, ainda que iguais em certo sentido, são todos desiguais pelas incompatibilidades em suas particularidades. São unidos, contudo, pela idiotização massificada que, essa sim, é universal e propositalmente padronizada para que funcione em todo tipo de robô, independente do modelo.

Percebe-se, então, que o grande malefício é tão somente a ausência de pensamento autônomo. Não importa com qual programação sejam moldados, serão, enquanto robôs, sempre moldados sob a vontade de terceiros e nunca sobre sua própria vontade.

Robôs não conhecem, não sabem, não vivem. Robôs repetem, replicam, espalham. Robôs, tal como um boneco de marionete, depende completamente de comandos que não são dados por si mesmo. E há tantos outros robôs pela cidade, que já são tomados como normais, embora sejam apenas comuns, pois de normal não possuem nada.

Se um dia você se perguntar alguns porquês, talvez encontre robôs onde não imaginava encontrar. Você olha as pessoas respondendo mensagens ao celular, comprando roupas ou tentando fazer sucesso e percebe algo em comum nesses contextos todos. Condicionadas a fazer tudo da mesmíssima maneira que todos os demais fazem, replicam, principalmente, os erros grosseiros.

Falam de assuntos que não conhecem e de livros que nunca leram, mas opinam como se fossem grandes mestres, intelectuais de Janeiro a Janeiro. Concentram-se em rastejar em cima de alguma moda ou conteúdo popular na esperança de que serão inclusos nessa gigantesca máquina de exclusão social. Se sujeitam a vestir camisetas esportivas de instituições corruptas que levaram seus dinheiros e, mesmo assim, são veneradas como grandes instituições de grandes eventos de pseudo-cultura travestidas em vitrines de alienação e status.

Os robôs estão nas salas de aula, como sugerido pelo clipe “Another Brick in the Wall”, música de Pink Floyd. Em algum momento deveriam se rebelar, mas permanecem, na realidade, bem distantes do desfecho do clipe. São levadas a assimilar conteúdos fictícios já desmistificados, mas que não foram devidamente atualizados pelos professores que não foram reciclados. Médicos, advogados e letrados, repetem asneiras que já deixaram de ter sentido há bem mais que 3 décadas. E alunos formados, bem mais que deformados, acreditam que estão finalmente à par do conhecimento. Só lamento. Levarão adiante suas ignorâncias e estenderão essa confiança absurda para quando, infelizmente, tiverem a oportunidade doente de também darem aulas. Ensinarão, talvez, que não se pode estar em dois lugares ao mesmo tempo, sem saberem que já comprovou-se a capacidade de permanência de um mesmo átomo em locais distintos. Talvez ensinarão que o teletransporte é mera ficção, sem saberem que átomos de madeira já foram teletransportados de um canto a outro. Enfim, ensinarão que aprender bobagens é importante e que buscar conhecimento novo é desnecessário.

Há robôs dirigindo. Bom se fossem apenas os carros automatizados da Google. Na grande maioria são apenas as pessoas robotizadas que, mesmo diante de uma rua vazia pela madrugada, firmam-se no asfalto esperando o semáforo abrir, mesmo que seja totalmente desnecessário. Condicionadas a somente andarem com o farol verde, ficam congeladas diante do farol vermelho, mesmo quando, por exemplo, uma ambulância implora a saída dos carros pela frente pra que possa finalmente passar como lhe é de direito. As pessoas se preocupam muito mais se levarão alguma multa imaginária dos fiscais de trânsito do que em abrir caminho para uma ambulância. A idiotização é um clássico dos robôs. São máquinas, não pensam por si mesmos. Não refletem o cenário sozinhas, a menos que tenham sido programadas pra fazer alguma análise. Mas sempre limitados, sempre repetindo dados predefinidos e nunca satisfeitos, nunca terminados.

Há robôs de todos os tipos, todas as cores, todos os tamanhos. Alguns andam armados, empacotados de cinza e velcro. Outros, obedecem pedidos estúpidos e egoístas de personalidades em vídeos propositalmente sem conteúdo relevante. Não há entretenimento para robôs, porque robôs aceitam o vazio calados. Tudo que eles precisam é de dados. E quando não há inserção de dados, ficam bugados como um computador que tenta ler um drive de CD e não encontra CD algum. Ficam como um navegador que tenta carregar um site para mostrar, sem saber que o servidor não tem nada para entregar. Ficam em erro, paralisados, olhando pra lugar nenhum, com uma enorme ampulheta girando à espera de alguma salvadora ‘solução”. E quando finalmente a conexão volta, seguem, como sempre, o roteiro que lhe era previsto.

E, por incrível que pareça, foram programados pra não se acharem burros, afinal, até no nome, um smartphone é esperto. Sentem-se muito capazes, afinal, veja quantos aplicativos conseguem carregar e quantas imagens podem registrar. Quanto mais robotizados são, mais autônomos e inteligentes pensam ser. E assim, cria-se uma legião de pessoas aptas pra nova era da Inteligência Artificial. Farão tudo que for útil e necessário aos seus criadores e nunca se lamentarão de coisa alguma, pois robôs são incapazes de sentir dores. Se sentirão modernos, plenos, totalmente encaixados na sociedade, pertencentes à uma casta muito nobre: a casta dos degenerados.

Pela cidade, como desde muito tempo, hoje e futuramente, veremos cada vez mais gente, com pouco, quase nada, mas transformadas, configuradas pra que, quando não prestarem pra mais nada, sejam simplesmente descartadas. Aposentadoria será tirada dos códigos de programação, pois robô não tem família, não tem vida e não precisa nem mesmo de pensão. Robô, se programar corretamente, aceita ficar doente, pobre, carente. Com uma ou duas linhas fáceis de programação, robô aceita calado a violência, o estupro, a morte ou a prisão. Aceita ser varrido pro lixo, pois como máquinas que são, se objetificam sem recusar tal condição.

Ah, os robôs. Dominarão o mundo, não acima de seus criadores, mas ocuparão uma escala absurda de quantidade. Serão como produtos fabricados em série e serão, eles mesmos, os consumidores de suas produções, não sem antes trocar todo o esforço de produção por silêncio, obediência e baixo consumo de energia de forma que precise de pouca ou nenhuma atualização. A eficiência da servidão os colocará como o ápice da involução. Mas tudo bem, afinal, porque não?! Se alguém pode ser programado pra inexistir, quem vai discutir que esse é seu propósito e razão?

Tá cansado de ser robô e quer ver sentido na vida? Que tal começar a dar pane e se desconectar da Matrix que lhe aprisiona? Ande na contramão e comece a dizer ‘não’ para aquilo que seu pensamento próprio não puder encontrar boa razão.

Rodrigo Meyer