Prosa | O navio está partindo.

A imagem que ilustra esse texto é parte de uma ilustração no estilo ‘retrowave marcada como livre pra utilização, segundo os filtros de pesquisa de imagem do Google.

Nos acostumamos com o cheiro da nossa própria casa e nem percebemos como ela destoa de qualquer outro lugar, até que visitamos alguém e sentimos o cheiro característico de lá. Até a comida tem cheiro diferente. Pode ser o mesmo prato que você costuma comer, mas cheira diferente. Deve ter algo impregnado nos móveis, nas panelas, na transpiração dos moradores. A minha casa tem cheiro próprio, como a casa de todo mundo deve ter.

Para quem é fumante, por exemplo, acho que já não percebe o cheiro de cigarro permeando tudo, desde os poros da pele até a roupa e as paredes. O mesmo pode-se dizer de quem tem animais de estimação. A maioria dos seres é treinada desde o nascimento a reconhecer os cheiros familiares e a comparar com qualquer outro cheiro diferente. Os cheiros conhecidos desde o começo representam uma certa segurança, enquanto que os cheiros diferentes, vem de fora, são estranhos, são potenciais ameaças e, portanto, nos incomodamos com eles.

Todo mundo já ouviu falar da predileção que as pessoas possuem pela comida da mãe, da avó ou de quem as criou. Somos alimentados por esses temperos e cheiros desde o nascimento. Convivemos nesse ambiente e nos acostumamos com esse padrão. Torna-se o novo normal. E a memória afetiva traduz isso na forma de predileção e prazer pela comida ou cheiro dessa origem. E tudo isso soa um pouco estranho, pois o sal é similar pra todos, tal como a pimenta ou outro ingrediente qualquer. Mas cheira diferente, tem gosto diferente. Deve ser o modo costumeiro de cozinhar, o odor impregnado no fogão, na madeira dos armários, no teto da casa e sei lá mais o que.

Ainda mais estranho é que, apesar de notarmos o cheiro e sabor característico da nossa casa e de outras casas, quando vamos à um restaurante, parece que tudo é neutro. Claro que as coisas tem cheiro e sabor, mas, de alguma forma, parece que chega à um consenso que agrade à todos os públicos, afinal é isso que se pretende quando se atende diferentes famílias, acostumadas com o cheiro e sabor de suas casas ou da mesma comida desde a infância. Talvez a constante limpeza dos ambientes impeça qualquer um dos cheiros de impregnar pela repetição, pelo acúmulo. E isso explica boa parte do sabor das chapas engorduradas dos botecos.

Repetição parece ser o que garante a impregnação do cheiro e o reconhecimento pela memória olfativa. São tantos sentimentos que voltam à tona quando reconhecemos um perfume de alguém. Quando me acostumava por tempo suficiente com alguma companhia, certamente é porque havia sintonia com o cheiro da pessoa. Isso é parte da chamada ‘química’. Algumas pessoas sequer usam um perfume, mas todas elas tem um cheiro próprio, único. E quando gostamos, nos conectamos. Talvez, em última análise, gostamos das pessoas porque elas nos trazem prazer pelos diversos sentidos humanos. A voz de uma pessoa, o cheiro, a textura da pele e tudo o mais, vão compondo uma zona de conforto, onde nos sintamos em segurança, protegidos numa bolha bem pequena. Nosso refúgio se torna nossa casa, as pessoas a quem nos conectamos. Pra muita gente, talvez, se desconectar desses cenários e pessoas é como uma ameaça.

Estamos todos buscando qualquer referência de segurança, por trás de um abraço, um olhar, um som, um cheiro, um sabor, um modo de fazer as coisas, um estilo visual. A sociedade começa a se separar em tribos desde sempre, buscando o convívio com os seus. É assim na formação de famílias, clãs, vilas, cidades, países e planetas. É assim também nas culturas e subculturas, nos nichos de música e estilo de vida. Eu, por exemplo, estou sempre em conexão com a atmosfera de onde eu passei a maior parte da minha vida, dos bares e casas noturnas que frequentei, das pessoas que conheci, das músicas que ouvi, das roupas que vesti. Mesmo que estejamos no ano de 2020, ainda é recorrente a necessidade de uma atmosfera dos anos 80. E como é bom ver as pessoas vestindo preto pra todo lado, uma predominância de coturnos, franjas em linha reta ou um corte em V e todos aqueles detalhes comuns no meio gótico, pós-punk, rock e afins.

Somos seres sociais, mas somos seres que buscam uma específica atmosfera. Estamos debaixo do mesmo céu, aparentemente, mas na verdade nossas bolhas nos separam completamente para dentro de realidades onde tudo é muito nosso e muito nós. Frequentadores assíduos de certos lugares se tornam parte do lugar, seja enquanto vivos ou mesmo depois de mortos. Inúmeros casos são vistos e contados de desencarnados que permanecem no mesmo lugar habitual, atrás de algo que reconhecem, gostam e/ou precisam. Às vezes a droga, o álcool, a energia específica das pessoas ou, simplesmente, aquela memória afetiva. Definitivamente, nossa consciência ultrapassa nosso cérebro. Por mais que se apague a parte física dessa equação, tudo já está enraizado na própria alma ou consciência, dentro e fora do corpo. A consciência não depende da matéria, mas é a matéria que depende da consciência.

Quanto tempo será que leva para nos acostumarmos com novos lugares, novas pessoas, novas comidas e novos cheiros? Quando as pessoas falam sobre a depressão de quem vai morar em outro país e da saudade que esses sentem de casa, não será exatamente isso que existe por trás? Às vezes as pessoas se sentem desconectadas daquilo que reconheciam como seguro, prazeroso e confortável. Talvez seja preciso redescobrir os gostos, mudar o paladar e aceitar que a vida muda, que há outras memórias pra serem formadas. Claro que, diante da novidade, não vamos ter as referências maternais ou da infância. O passado não se repete se o futuro for diferente do habitual. Mas, assim como aprendemos a frequentar e gostar de lugares ao longo da nossa vida, podemos experimentar o prazer por essa constância em qualquer lugar que pudermos ficar tempo o suficiente. Deve ser isso que motiva coletivos a fixarem residência nos lugares.

Moramos quase sempre na mesma casa ou se mudamos de casa, tendemos a ficar no mesmo bairro ou zona. Raramente nos mudamos pra muito longe, raramente trocamos nossa zona de conforto por algo novo que ainda não nos diz nada. Mas, pra quem quer fugir das lembranças, mudar de ares talvez seja a melhor opção. Ao se desconectar dos mesmos objetos, dos mesmos cheiros, das mesmas paisagens, dos mesmos lugares e das mesmas pessoas, temos a oportunidade de nos ver, de alguma forma, um pouco mais livres, quase como se fôssemos uma folha em branco, limpos para sermos preenchidos com coisas que, finalmente, vamos escolher. Se nosso passado é imutável, ao menos nosso presente e futuro podem ser construídos de um jeito diferente.

Mudar é importante, nos dá energia de organizar a vida do nosso jeito, descobrir que outra vida podemos ter. Eu estourei a minha bolha desde muito cedo e, à cada vez que uma nova bolha se formava, eu a estourava. Nunca permaneci muito tempo em lugar algum, porque estava tentando me encontrar. E quando eu percebia que não estava entre os meus, eu me afastava e seguia sozinho até outra bolha começar a se formar. O motivo pelo qual nunca me encontrei profundamente em nada e ninguém, talvez seja por causa dessa ruptura desde cedo. Por não ter um padrão a ser mantido ou perseguido, nunca encontrava algo que se encaixasse, pois não havia um padrão determinado para encaixe. Sem essa referência do que eu deveria encontrar no mundo pra me sentir confortável, percebi que não tenho que procurar isso nas pessoas ou nos lugares, mas, construir eu mesmo, meu padrão desde o zero. Assim, meu mundo é muito meu e eu sou muito do meu mundo. E quando o mundo parece demasiado vazio, não é de todo ruim, pois podemos preencher com qualquer coisa que quisermos. Sem vícios e sem apegos, o navio não fica preso no porto, nem compelido a percorrer uma mesma rota predefinida. Um navio que não está preso, nem programado, viaja pra onde a correnteza levar e pra onde impormos alguma direção. Cabe à mim escolher e é só nessa possibilidade que eu deposito todos os resquícios de esperança. Vamos aguardar e ver.

Rodrigo Meyer – Author

Cultura underground versus estrutura ruim.

No início, toda a contracultura ou a chamada cultura underground apresentava-se em tom de improviso, justamente porque era esse o limite possível naquele contexto. Em um ambiente onde era caro produzir a cultura “padrão”, esse feito limitava a expressão a quem detinha dinheiro ou influência, ou, ao menos, a pessoas que se sujeitavam aos modelos convencionais das grandes mídias ou mídias tradicionais. Criar e difundir conteúdo diferente, na contramão dessa correnteza de ideias moldadas, era achar uma brecha no tempo e no espaço, e fazer acontecer, nas condições que fossem possíveis. Faziam alguma coisa ruim em estrutura ou simplesmente não fariam nada.

Contudo, o cenário de cultura se ampliou significativamente e já não há uma barreira tão limitadora que renegue as pessoas a algo sempre sem qualidade na estrutura ou na técnica. Já é possível, por exemplo, ter um disco de música gravado com pouco recurso e disponibilizar para absorção ou venda via internet, praticamente sem custos. Pode-se ter credibilidade pra se defender uma temática alternativa como opção de negócio viável pra uma casa noturna, um bar, um comércio pautado em um estilo de vida tido como ‘incomum’, etc.

Claro que a cultura, muitas vezes, é exatamente o lado “ruim” que os ambientes ofertam e que o público aprecia, justamente pelo seu estilo, pela tradição, pelo clima do ambiente, pelas referências. Embora o improviso e a personalidade dos lugares tenham peso ímpar nessa equação, isso não significa que as coisas precisem ser ruins em tudo. É possível ter copos limpos, um banheiro onde não se afunde todo o sapato num lago de urina, funcionários minimamente educados e capacitados pra atender o público, etc. E isso é uma observação que faço mesmo sendo um dos que adora ambientes simples e detonados. Dentro da minha realidade de cultura gótica, indie, rock, punk ou qualquer coisa que permeie o meio urbano, é minha cara os becos, beiras de calçadas, esquinas, bairros afastados, apartamentos velhos, casarões sob risco, galpões abandonados, etc. Nem por isso, deixou de ser útil e importante, nos lugares onde isso é possível, um ajuste na estrutura que possa somar pra quem frequenta. Não é preciso sofisticar um lugar pra melhorar sua estrutura, mas não se deve cair no pensamento equivocado de que o ideal de “quanto pior, melhor” é algo pra se levar ao pé da letra e/ou em todos os quesitos.

Se décadas atrás era difícil conseguir ter expressão na sociedade com estas subculturas ou estilos, hoje em dia se tornou algo muito bem recebido dentro dos devidos segmentos. E é claro que isso não elimina a importância ou o papel de apoio pra tudo o mais que surge ainda em condições improvisadas. Ainda há muito underground pra ser expresso, mesmo abaixo de todos esses espaços que já estão bem sucedidos na sociedade. Espaços devem sempre ser gerados, independente de suas condições, afinal toda expressão é um sinal de que alguém quer voz, quer espaço, quer ter seu momento, sua ideia, seu destino, seu valor. Onde quer que olhemos, precisamos entender que tudo é dinâmico e único. Ao mesmo tempo em que alguns cenários querem simplesmente existir, outros já existem e podem progredir, mesmo quando optam por não fazer.

A impressão que tenho, às vezes, é que as pessoas estão, propositalmente, enterrando o investimento na subcultura por medo de ver aquilo se transformar em algo diferente da essência. De certa forma eu entendo esse medo, mas é preciso diferenciar com cautela o que é investir em subcultura / cultura underground e o que é matar a essência ou propósito desse nicho em troca de massificá-lo ou torná-lo a chamada ‘cultura de massa’ ou ‘cultura mainstream‘. Essa competição pra ver quem é mais anônimo ou restrito a pequenos grupos não é algo que deve ser levado a cabo por ninguém que tenha sensatez, afinal o que se espera da cultura, sempre, é difundi-la ao mundo todo, o quanto for possível (desde que isso não contrarie os princípios, claro), afinal, se alguém tem uma mensagem e ideologia expressa em uma letra de música, em um estilo de roupa ou no lefestyle, isso é o que se quer comunicar ao mundo como forma de alavancar reflexões, mudanças, ações, oposições, etc.

Penso que se estamos a nos opor a algo convencional, especialmente o modelo social, de mídia, e estamos tentando quebrar as correntes que limitam a nossa expressão de valores, verdades e ideologias, então devemos ser as pessoas mais engajadas em fazer acontecer essa concretização em nossos próprios espaços. No final das contas, apoiar a cultura alternativa, underground ou a ‘contracultura’ é nada mais que agir pra que a estrutura dela favoreça a permanência do próprio público adepto / simpatizante desses universos.

Relato com tristeza que, muitas vezes, a cultura alternativa se tornou um espaço que abandonou o interesse pelo aprendizado ou pela inovação. Vejo muita gente vestindo os crachás estritamente pela onda ‘cool‘ da aparência exótica e não exatamente pela sinceridade em viver essas realidades em termos de personalidade ou cenário cultural. Muitas dessas pessoas, infelizmente, estão tão viciadas na própria bobagem da pseudo-cultura forjada ao redor do mundo, moldados pelos padrões de pensamento, de moda, de ideias, de conduta, de objetivos, etc., que já não cumprem nenhum papel realista dentro dos cenários alternativos. Há muitos destes perdidos que tornam-se até mesmo famosos nesses meios, apesar da contradição berrante. São tempos onde o underground está perdendo o sentido ou, então, se reinventando em outros cantos ainda mais recentes e anônimos (desta vez por falta de opção).

Observo preocupado os lugares onde a essência é, por exemplo, combate a preconceito, mas borbulham nestes meios figuras completamente opostas a isso. Nada pode ser mais patético e desnecessário, ainda mais pra algo que é tão frágil e restrito como um nicho de subcultura. Talvez o encantamento pelo diferente seja a única coisa que faça essas pessoas se sujeitarem a estar onde sequer são bem-vindas. Talvez muitos destes nem entendam ou nem saibam o que é que cada nicho de cultura ou subcultura representa e, por isso mesmo, é importante que façamos um bom esforço em promover essas realidades, a fim de tornar isso mais visto, mais absorvido e discutido socialmente. Se nunca levarmos o underground pra fora dos subterrâneos da sociedade, talvez estejamos secando a fonte de cultura. Pense que as pessoas não vivem e não criam pra sempre e que a cultura não é só roupa, bebida, música e casa noturna. Vivenciar uma época, uma ideologia ou um estilo de vida é algo que exige das pessoas uma participação geral e full time.

Além de tudo isso que foi levantado é preciso dizer que, mesmo quando nos colocamos em preferência ao underground, a cultura dita ‘padrão’ ainda está ativa e predominante na sociedade, o que nos faz, muitas vezes, ter alguma dependência (seja pouca ou muita) para conseguirmos moldar alguma qualidade de vida, dignidade, etc., afinal, infelizmente, muita coisa ainda está na contramão do que idealizamos e não temos, ainda, todo controle sobre isso. Então, por conclusão, devemos fortalecer os nichos exatamente pra nos vermos a frente de opções que contemplem nossos próprios interesses, nossos objetivos, etc. Claro que não digo isso estritamente sobre os comércios, mas, eles também, afinal são um grande cenário de concentração de pessoas. Eventos e festivais também são  outro modelo similar com faceta de comércio, mas que ainda remete a um aspecto de difusão e comemoração da cultura muito mais do que um simples espaço de venda de ingressos e bebidas.

Em outros textos ainda terei oportunidade de falar sobre outros aspectos dessa temática, em especial sobre as relações humanas, as personalidades e as personagens de cada um nesse grande jogo incógnito que é viver e explorar o significado de tudo. Até breve!

Rodrigo Meyer