Quem não admite a própria ignorância, está se sabotando.

Não existe contexto nenhum que torne uma pessoa detentora de todos os conhecimentos. A vida tem informações infinitas que podem ser parcialmente descobertas por quem se empenhar em conhecer. Em um primeiro momento, pode parecer tentador para algumas pessoas abrirem mão do conhecimento concreto e se munirem de uma camada forjada de saber baseada meramente em senso comum e dedução rápida. Mas, conhecimento não se trata do que acreditamos, nem do que achamos que sabemos por alguma força milagrosa, um dom ou coisa similar. Conhecimento é resultado de uma busca por ele, de maneira que ele se prove coerente, correto, verdadeiro, embasado, etc. Por isso, quando fingimos saber de determinado assunto sem ter o real conhecimento dele, não estamos admitindo nossa própria ignorância. Estamos negando ela para nós mesmos e/ou para os outros. Quem tem essa postura, normalmente acredita que está se beneficiando dessa fachada que aparenta conhecimento, acreditando que vai ter melhor desempenho diante da vida, diante das pessoas. Mas, a verdade é que, na prática, essa pessoa está se sabotando, pois quando ela não admite sua própria ignorância sobre algo, ela já se sente detentora de um conhecimento que não tem e, por isso mesmo, não dá espaço pra que esse conhecimento seja aprendido. É como se você tivesse uma lista de compras pra fazer, mas antes de comprar os itens, marcasse como ‘comprado’ em todos os itens da lista. Acabará apenas com uma ilusão de que os itens foram comprados, mas continuará sem os itens. Pode até sentir prazer pela ideia de que “comprou” todos os itens da lista, mas na verdade não os comprou e encerrou a tarefa de comprá-los. Chegará em casa, o armário e a geladeira estarão vazios e sua lista forjada não servirá pra se alimentar, nem servirá à qualquer outra pessoa. Em resumo, não existe como uma ficção ter o mesmo efeito da verdade. Ela só tem algum efeito, temporariamente, na mente de quem acredita nela. E a realidade da sociedade e da vida não depende das crenças de um indivíduo.

Se quiser realmente causar um impacto em si mesmo e em outras pessoas, com os benefícios do conhecimento, terá que adquiri-lo de verdade em algum momento. Não importa, a princípio, o grau de conhecimento que você obtenha, desde que seja sincero, verdadeiro. Se você se interessa, por exemplo, por Astronomia, mas não é um profundo conhecedor do assunto, você pode começar pela base, aprendendo as definições básicas, a composição do Sistema Solar, o nome dos planetas, alguns princípios sobre gravidade, órbita, tamanho, etc. Saber, por exemplo, quantos planetas temos no nosso Sistema Solar pode ser um conhecimento pequeno perto de outros assuntos astronômicos, mas já é um conhecimento se for obtido de maneira real, com base em dados científicos e não em deduções. E você poderá divulgar esse conhecimento com orgulho, porque não há nada nele que lhe desabone. Algumas pessoas podem se sentir complexadas, com um certo sentimento de vergonha por saberem tão pouco perto da vastidão e complexidade do conhecimento que outras pessoas possuem sobre determinado assunto. É compreensível isso, mas também denota que você tem visão crítica e admiração pelo conhecimento mais aprofundado de quem se empenhou em uma área de estudo. E saber que não sabe tanto quanto especialistas, faz de você uma pessoa com mais conhecimento que muitas outras também. Quanto mais aprendemos, mais sabemos o quanto ainda não sabemos. E todas as pessoas, em algum assunto e grau, passam pela mesma situação, pois o conhecimento é infinito e ninguém nunca terá absorvido ele por completo, por mais especializado que seja.

Assim, quando admitidos finalmente que não temos todo esse conhecimento, deixamos um espaço em aberto para aprender algo novo. Deixamos uma lista de metas, sonhos e conquistas à ser cumprida. Tenha certeza absoluta de que todo especialista em algum determinado assunto, começou do zero, como todo mundo. Ninguém acordou um belo dia tendo domínio sobre um assunto. As pessoas seguiram o percurso natural do conhecimento, ingerindo os conceitos mais simples em seus primeiros contatos, seja na infância ou em qualquer fase da vida, seja na escola, na família, na comunidade do bairro, entre os amigos, na internet ou onde for. Basta ter a preocupação de absorver um conteúdo verdadeiro e, então, crescerá até onde puder e quiser. Se você tem a oportunidade de frequentar um grupo de estudos, uma escola, um curso técnico, uma oficina ou uma mídia na internet, tire proveito desse privilégio, pois o Brasil é um país onde, atualmente, metade da população não possui acesso à internet e os que possuem, muitas vezes, enfrentam limitações de acesso à sites, tendo apenas o contato com aplicativos de mensagens ou redes sociais, o que já restringe muito a oportunidade de aprender um assunto de forma confiável. E se você ainda não se sente confortável ou curioso o suficiente pra ir atrás de conhecimento, já será de grande valia pra sociedade e pra você mesmo, se você não se sabotar com uma aparência falsa de ter, ser ou saber aquilo que não tem, não é e não sabe. Tenha de exemplo a vergonha que foi a exposição de várias figuras públicas do atual desgoverno brasileiro, com currículos completamente fraudados, inventando cargos e formações que nunca tiveram, na esperança de se sentirem maiores do que realmente são. No fim, tornaram-se menores ainda do que já eram. Fingir que sabe é mais vergonhoso do que simplesmente não saber.

Encare tudo isso como de fato é: uma opinião sincera de quem gostaria de ver o mundo melhor, com pessoas mais felizes, com uma redução dos absurdos índices de suicídio, redução das taxas de evasão escolar, eliminação do desemprego e dos subempregos, com maior qualidade de vida, engajamento político e social para tornar realidade uma mudança em benefício direto da população para a própria população. Se valeu de algo tudo que eu disse até aqui, procure mais sobre ‘poder popular’ e entenda como isso tem tudo a ver com dar o protagonismo na sociedade para os que realmente são e sempre serão os verdadeiros protagonistas em qualquer lugar do mundo, em qualquer setor ou situação. A população deve ser sempre a origem e o destino de tudo, afinal vivemos em sociedade para que o coletivo se beneficie do que o grupo consegue organizar para melhorar o bem-estar de todos os indivíduos. Pense fora da caixa, pense fora do individualismo, do egoísmo e desse modelo político de hierarquia onde uns poucos comandam os rumos de uma imensa população, quase sempre sem carregar a verdade com eles. Comece a pensar na inversão dessa estrutura, onde o poder popular é que toma a frente da situação como origem e objetivo de todo benefício. Pense nisso. Não estou aqui pra dizer o que você deve pensar, mas pra te fazer pensar. Seja uma pessoa curiosa e encontre o seu próprio caminho, suas conexões, seus assuntos, seus interesses. E se achar pelo meio dessa jornada pessoas que tem algo pra acrescentar de verdadeiro, terá a oportunidade de ver que não está sozinho e tem alguém à quem se inspirar pra ser melhor, pra aprender mais, pra ser mais.

Rodrigo Meyer – Author

Nenhuma ignorância ficará impune.

Independente dos sistemas sociais e das interações humanas, tudo aquilo que existe, traz consigo a inevitável consequência de sua existência. E o que isso quer dizer? Quer dizer que se existe uma fruta pendurada em uma árvore, haverá um momento em que ela cairá do galho ou será digerida por algum pássaro. Da mesma maneira, se uma pessoa chacoalha uma árvore carregada de frutos, alguns frutos poderão cair. Assim como nenhuma ação fica sem reação, a ignorância humana também não percorre sem consequências diretamente relacionadas.

Se pegarmos exemplos simples, já conseguimos demonstrar esse fato. Imagine que uma pessoa tente construir uma casa, porém sem nenhum domínio de engenharia, construção ou mesmo de física básica e empírica. Visualize uma pessoa tentando erguer 3 andares de pedras pesadíssimas, apenas apoiadas numa base frágil de bambu. O simples fato da pessoa desconhecer as propriedades de resistência do bambu, a torna ignorante nessa tentativa e traz como consequência a impossibilidade do feito e/ou um terrível acidente com as pedras quebrando o bambu e vindo toda obra ao chão.

Na vida, nem tudo que exige noção, conhecimento e controle da ignorância, são tarefas tão óbvias como estas. Ainda que estejamos em uma época dito “tecnológica”, ainda temos que enfrentar muita ignorância que sobrevive ou renasce do passado. A informação precisa chegar pra todos, porém vivemos tempos difíceis onde até a pouca informação começa a faltar e falhar. As pessoas já começam a crer, novamente, em ideias como ‘Terra plana’, resgatando um culto à ignorância que parece ser o centro de suas vidas. Haveria tempo pra simplesmente criticar essas pessoas, porém isso não contribuiria em nada para a melhoria do cenário. Deixemos que as críticas vazias fiquem somente entre os ignorantes. Tomemos pra nós, se objetivamos alguma melhora no mundo, o papel de transformar as pessoas ao nosso redor. Ainda que seja difícil fazer despertar o interesse pela cultura, sabedoria, intelectualidade, noção, razoabilidade, realidade, verdade, educação, etc., precisamos, pelo menos, tentar.

Tudo na vida tem um preço intrínseco que é dado automaticamente, conforme cada pessoa interage na realidade. Seja lá quem for e como for, tudo que for feito, pensado ou intencionado, trará uma proporcional consequência. Assim sendo, nada mais inteligente e útil do que tentar pautar suas ideias, ações e intenções em coisas coerentes, produtivas, positivas, que vão te retornar benefícios ao invés de prejuízos, que vão te abrir caminhos ao invés de lhe fechar portas, que vão lhe tornar alguém mais esclarecido ao invés de alguém mais facilmente enganado, que vão lhe dar mais paz ao invés de lhe tornar alguém que muito odeia e se torna inconveniente por isso.

Você pode jogar pedras para o alto, livremente. A liberdade é justamente poder fazer o que se quer, mesmo que seja uma idiotice completa. Contudo, em toda liberdade existe o preço da responsabilidade com a colheita obrigatória das consequências. Nada que fazemos vem sem consequências, mesmo que elas demorem a chegar ou a serem notadas. Inclusive, é justamente entre os ignorantes que estão as pessoas que menos notam a consequência das coisas, sendo isso, portanto, o principal motivo pelas decisões pouco inteligentes destes indivíduos. Quando assistimos conteúdos de humor, rimos, muitas vezes, das trapalhadas que o ser humano consegue fazer ou dizer. De alguma forma, rimos daquilo que nos parece incabível demais pra ser levado a sério. Contudo, séries de desenho animado como “Os Simpsons”, nos faz lembrar que grande parte da sociedade real é passível de piada. Se procurarmos com um pouco mais de sinceridade, certamente encontraremos em muitos de nós, inúmeras atitudes, pensamentos ou intenções, que nos tornam ridículos. Sabendo disso, precisamos estar preparados para lidar com essas questões, muito além do simples ato de rir e esquecer de tudo após o fim de um episódio televisivo.

A ignorância é o que faz, por exemplo, uma pessoa ser vítima fácil de uma notícia falsa ou um estelionatário. Quem desconhece a realidade, acaba por ser como um papel em branco que tudo aceita. Aquele que nada conhece sobre a vida, não tem parâmetros e nem memória pra se orientar sobre o que é suspeito, estranho, problemático, falho, inverídico, perigoso, etc. A criança que nunca viu o fogo agir, certamente, corre o risco de queimar a mão diante da curiosidade pela chama luminosa. O esclarecimento sobre os perigos do fogo e a reiteração de que o fogo é perigoso, através das demonstrações de como ele sobreaquece tudo, como ele destrói as coisas e como ele pode sair de controle se for negligenciado, são formas de instruir uma criança ou leigo sobre o funcionamento do fogo, o uso correto desta ferramenta e as precauções diante do tema. De maneira semelhante, instruir pessoas na sociedade sobre todas as demais questões, as ajudará a lidar melhor naquilo que elas não possuem, inicialmente, nenhuma prática ou afinidade.

Em situações difíceis como a do Brasil nos diversos setores, é preciso, mais do que tudo, investir pesado na transformação das pessoas, no discernimento da realidade, na valorização de si mesmas, na valorização do raciocínio, do conhecimento, da intelectualidade, do embasamento, do discurso, da reflexão e do preparo pra que estas pessoas transformadas sejam também agentes de transformação nos próximos indivíduos. É desse ciclo perpétuo que extrairemos alguma chance de nos tornarmos um coletivo que consegue desfrutar de cada vez mais qualidade de vida. Qualquer país com qualidade de vida (e, claramente, Estados Unidos e Brasil não são um deles), o investimento no que realmente importa é a prioridade sempre. No Brasil, a maioria dos políticos, por questões de agenda ideológica, parece ter como principal atividade a desvalorização de tudo que é urgente, justamente para enfraquecer a mente do brasileiro médio, tornando-o mais fácil de ser controlado e subjugado. É tarefa constante para tais políticos mencionados, ampliar, dia após dia, os mecanismos de cerceamento da autonomia, do aprendizado, da liberdade e da reflexão, tal como os exploradores da vida alheia que colocam cabrestos em cavalos e similares, para melhor poder conduzi-los até o destino, sem que os animais se distraiam com os perigos que os circundam. Aliado ao cabresto, está o freio, um mecanismo covarde colocado na boca do cavalo, que tensiona a língua para que ele desista de uma reação livre, pelo condicionamento à punição que é controlada pelas rédeas do explorador que o monta.

Para se ver próximo da tão sonhada liberdade e qualidade de vida, é preciso se aproximar de tudo que alguém lhe oferece rumo à transformação do seu ser. De nada adiantará ter acesso à uma Universidade, por exemplo, se sua consciência política e social é nula. De nada servirá um salário, se lhe falta discernimento sobre como fazer bom proveito do dinheiro. Toda conquista social deve incluir avanços paralelos em todos os setores. Entender seus direitos, seus valores e seus potenciais, lhe ajudará a tomar decisões mais inteligentes e úteis em tudo que você for fazer ou falar. Quando você tem bem claro na sua mente quais são as prioridades em determinado assunto, você consegue agir de forma coerente, se afastando da ignorância e, portanto, das consequências tristes dela. Em resumo, você ganha qualidade de vida, colhe coisas úteis por saber como plantar coisas úteis. Essa regra de realidade nunca vai mudar. Quanto mais você aprende, mais você reforça essa verdade. E quanto mais verdades um coletivo conhece, mais força tem pra exigir o necessário.

Se você observar a sociedade ao redor, verá um mar de gente errando e errando muito. Embora hajam todos os níveis de equívoco em uma sociedade, se a maior parte da população fica largada ao acaso, o grau dos erros começam a subir pra todos em velocidade espantosa. Por isso, a base é sempre a prioridade de uma ação. Você deve sempre tentar apoiar e instruir as pessoas que estão iniciando a jornada na vida. Repassar seu conhecimento e suas ferramentas de transformação para crianças, adolescentes, cidadãos que estão começando a ter noção de História, de Política, de Sociologia, de Economia, de Trabalho ou qualquer tema primário que afete ele diretamente em sua existência no coletivo. Você nunca conseguirá fazer uma pessoa vencer a si mesma, se negar-lhe o direito de se conhecer e de conhecer o mundo. Se a informação e o esclarecimento não chega em todos os cantos, é papel dos detentores da informação, levar isso a quem não tem. Mas, esteja atento! Isso não pode ser, jamais, um pretexto para o nefasto papel de levar ainda mais alienação às pessoas. Você não pode usar o pretexto da informação, para iludir pessoas, desinformá-las sobre a verdade, convencê-las a força de suas crenças ou preferências pessoais, fomentar pensamentos equivocados ou preconceitos, entre outros lixos tóxicos. Há uma frase de Paulo Freire que diz:

“Quando a educação não é libertadora, a vontade do oprimido é de ser opressor.”

A liberdade conquistada, quando realmente é uma liberdade, visa transformar o entorno em um coletivo igualmente livre. Aquele que desperta de alguma ilusão qualquer que seja, caso veja-se livre pela visão obtida, deseja que o próximo também tenha o direito a esta percepção. Mas, entenda que o direito não é um dever. Retornamos para a ideia de que as pessoas devem ser livres inclusive para errar, senão não é liberdade de fato. Montar uma casa em cima de um frágil bambu é um direito, mas tal ignorância de ato não virá sem uma consequência automática, como já explicado inicialmente. Dito tudo isso, quando uma pessoa conquista o direito de pensar o que quiser, ela arca com as consequências da gerência que faz de seus próprios pensamentos e atos derivados. Agora comece a pensar na consequência de tapar os olhos e a mente diante dos riscos de uma casa em cima de um bambu; de idolatrar políticos imorais que financiam notícias falsas pra tirar proveito fácil de ignorantes que acreditam em tudo; de pseudo-jornalistas que plantam o medo e a discórdia na população ignorante que torna-se facilmente reativa e inconsequente; dos carrascos que riem da cara de seus apoiadores que são pisados e usados em benefício próprio, etc.

A ignorância nunca lhe trará nada de bom, apenas prejuízos. Você nunca se verá livre, próspero, satisfeito, feliz ou com qualidade de vida, por manter-se ignorante sobre as coisas. Não conheço ninguém que prefira ser enganado por um estelionatário ou alguém que prefira ter a casa ruindo ao chão. Se ninguém quer levar prejuízo, porque é que algumas pessoas continuam fazendo as decisões erradas? Porque será que continuam construindo casas em cima de bambus e continuam desinformadas sobre a vida que lhes usa e abusa? A resposta é simples e direta: a ignorância está presente. A boa notícia é que ninguém precisa se contentar com a ignorância, podendo sempre dar espaço pra que ela venha a ser limpa, transformada e substituída em algo que agregue conhecimento, noção, valores, princípios, dignidade, compreensão, visão, velocidade de reação, etc. Quando você investe em você mesmo, se livrando da ignorância, você entende, entre outras coisas, que você é livre pra pensar sozinho, pensar fundo, pensar diferente, pensar de forma mais complexa e completa. Quando você rejeita a ignorância, você se ajuda, você constrói sua vida de maneira mais realista e assertiva. Foi assim com o pedreiro que aprendeu a fazer colunas e vigas, a montar lajes e paredes e a discernir a quantidade necessária de concreto, pra consolidar uma ideia de projeto. Tão importante quanto sonhar / desejar ter a casa construída, é saber como funciona a construção e quais os assuntos que você vai precisar dominar antes de se arriscar debaixo de toneladas de concreto.

Com essa analogia da construção, coloque-se no papel de morador de sua própria vida. Comece a construir sua sociedade, seu bairro, sua escola, sua família, seu grupo de trabalho, seu círculo de amizades, seu espaço de informação e apoio na internet, suas fontes de aprendizado, seu espaços para exercer arte, cultura, reflexão, interpretação de texto, interpretação da realidade, observação crítica e observação criteriosa. Comece a tomar voz para si e comece a ser independente. Como diz o ditado popular, a plantação é opcional às vezes, mas a colheita é sempre obrigatória. Então, escolha com muito carinho as sementes que você vai plantar, porque lá na frente, mesmo que você não tenha capacidade ainda de perceber, virão as consequências de tudo que você foi, fez, pensou, disse e apoiou. Não se deixe levar pelas coisas simplistas, evitando, assim, ser enganado e tropeçar justamente nos problemas que tentaram te vender como soluções. Abra o olho, senão vão implementar ainda mais projetos pra te manter em uma ignorância ainda mais funda. O sonho de muitos exploradores é ver seus explorados convencidos de que não estão sendo explorados, mas apoiados. As vítimas que se deixam levar por essa imensa ilusão, são descritas como tendo a chamada ‘Síndrome de Estocolmo’, onde o oprimido admira seu próprio opressor.

Esse texto se encerra subitamente, justamente pra criar o espaço necessário pra você exercitar sua autonomia e começar a completar o espaço com seus próprios pensamentos, a reflexão de tudo que aqui foi apontado e a oportunidade de, talvez, começar a planejar melhor o que é que você vai construir no presente, pra não se ver ainda mais derrotado no futuro. Seja lá qual for sua condição, estarei aqui pra continuar meu papel de luta, de esforço pela informação. Desejo que todos um dia, cedo ou tarde, encontrem-se no meio da realidade e consigam, pelo menos, compreender que precisam mergulhar mais a fundo e com sincera autonomia, pra conseguir chegar no bem-estar pessoal e coletivo que desejam, mesmo que estejam perdidos por uma vida confusa de conflitos e sentimentos desconexos, mesmo que tenham caído no equívoco do vício pelo ódio gratuito, pelas ações violentas ou desonestas. Se não é possível mudar as sementes plantadas no passado é, porém, possível escolher quais sementes plantar no presente e ter uma colheita melhor no futuro. Faça sua parte e, se precisar, solicite ajuda, sem precisar sentir vergonha, medo ou qualquer outra coisa que seja uma barreira pra sua mudança. Obrigado por ler e até breve.

Rodrigo Meyer

Voltas e recomeços.

Depois de dias sem postar, estou de volta com este texto. Aproveito o contexto pra discutir o próprio tema ‘recomeço’ e deixar algumas reflexões.

Por mais que desejemos uniformidade ou constância no nosso bem-estar, a maioria de nós passará por momentos difíceis e por diversos imprevistos. Mas nem todo imprevisto é ruim em si. A vida costuma se apresentar de forma inconstante, porque as pessoas são inconstantes e a própria Natureza é pouco dominada diante de sua grandeza e complexidade. O mais sensato é nos lapidarmos pra adquirir alguma habilidade de resiliência, como uma árvore que retorna para sua posição original depois de ser envergada pelo vento forte.

Por vezes, não é fácil entender e aceitar as coisas como elas são ou parecem ser. Temos sempre que estar um passo adiante da nossa zona de conforto, pois mesmo quando saímos de uma zona de conforto inicial, expandimos essa zona e a cada vez precisamos dar um novo passo pra não ficarmos acomodados naquilo que conquistamos. Eu tenho sentido que fiz grandes progressos por me colocar sempre em desafios. A vida se torna mais difícil quando queremos algo, porém se desistirmos,  a aparente facilidade disso nos mostra que apenas abdicamos de tentar e que não tentar exige nenhum esforço.

Encarei muitas situações incômodas desde sempre, mas sempre estive observando a realidade e a mim mesmo para poder compreender minhas opções. Quanto mais conhecemos o funcionamento das coisas, mais fácil se torna perceber onde e como podemos contornar os problemas. Alguns veem isso como criatividade. Eu acho que é apenas o curso natural das coisas quando se busca saídas. Existe uma frase que diz que ‘a necessidade é a mãe da invenção’.

Tem chegado a hora de eu me reinventar. Estou em busca de recomeços porque preciso deles. Recomeçar pode ser perturbador, porque somos levados de volta ao zero e temos que construir tudo novamente. Mas, por outro lado, temos conosco a experiência e a sabedoria que adquirimos em nossas outras empreitadas. Cada fase da minha vida eu dediquei esforço concentrado em certas atividades e áreas de estudo e tive a oportunidade de mergulhar em muita prática. Eu adquiri o tal de know-how que é tão importante em qualquer setor da vida.

Hoje, tentando maneiras novas de chegar na estabilidade e bem-estar, começo a olhar ao meu redor e a descobrir quais outras coisas estão ao meu alcance. Que outras ferramentas ou maneiras diferentes de usá-las poderão fazer a diferença pra mim? Fico imaginando as pessoas perseguindo sonhos alheios que não as pertencem e vejo muita gente dedicar esforço, tempo e até dinheiro em contextos que são natimortos. Aquilo que as pessoas descobrem tardiamente tende a ser algo obsoleto, pois tudo hoje em dia é muito passageiro. Vejo as pessoas se inspirando em ideias que já não podem mais prosperar ou que já estão saturadas de gente tentando.

Pensar o novo e estar à frente é sair dessa bolha de imitação das massas. Por mais que alguém esteja fazendo sucesso em algo, não significa que imitá-los será garantia de sucesso pra você também. Algumas pessoas iniciaram suas empreitadas em outros tempos, quando aquilo ainda fazia sentido ou quando aquilo ainda era novo o suficiente pra que houvesse pouca gente fazendo e muita gente interessada na novidade. E, atualmente, em um momento em que isso já atingiu um ápice de possibilidades, o futuro já está em outras coisas.

Você pode arriscar a sorte e tentar fazer mais do mesmo. Mas é muito mais garantido investir naquilo que será a próxima realidade, o próximo boom. Mas, não é tão fácil descobrir em que direção isso está. Não sabemos ao certo como será o futuro e nem como nós conseguiremos ou não nos posicionar nestas novas realidades. Tudo que podemos fazer é estarmos flexíveis, de mente aberta e sempre engajados em fazer cada vez mais coisas, arriscar o incerto, tentar o diferente, se permitir ao novo. Mudar pode nos tirar da zona de conforto, mas também pode ser a nossa única chance de conquistarmos algum outro conforto menos ilusório.

A maioria das pessoas não lida bem com a realidade. Elas não aceitam bem o estado em que estão, mas se esquecem que grande parte dessa realidade, às vezes, é fruto das próprias escolhas dessas pessoas. Quando alguém recusa insistentemente a olhar pra verdade diante do espelho e lapidar-se ao necessário, não há como esperar resultados positivos e grandes elogios adiante. Se nada fazem pra se tornarem melhores, como podem querer que o mundo as veja como melhores? Talvez entre eles, numa confusa troca de ilusões, possam brincar de ídolos versus fãs. Mas, fora dessa alucinação coletiva de mal gosto, a verdade é que valem igualmente pouco e vivem igualmente infelizes, sem vida própria e sem motivo válido. São pouco úteis, embora aparentem ser os mais requisitados.

Tão importante quanto saber recomeçar é aceitar com tranquilidade as situações fora do ideal. Não significa se conformar e nem mesmo idealizar isso, mas sim sentir-se bem, apesar disso. Há possibilidade de bem-estar em situações que acharíamos improváveis. Temos que reavaliar nossos padrões, nossas referências e nos colocar com outros olhos e outros sentidos diante das coisas. Algo parecido com aquele ditado que diz que ‘quando a vida te dá limões, faça uma limonada’.

Para seguir adiante com ou sem recomeços, é preciso entender quem se é, como o mundo funciona e quais seus limites e objetivos reais. Faça uma lista, mesmo que mental, de prioridades e estabeleça quais delas são mutáveis. Às vezes o que achamos ser imprescindível para o bem-estar hoje, pode ser descoberto como inútil ou até mesmo prejudicial.

Se não tivermos olhos sinceros pra dentro de nós mesmos e para a sociedade ao nosso entorno, seremos sempre a marionete manipulada que caminha pro abismo com um sorriso no rosto, acreditando ter sido levada ao ápice. Se você não entende bem porque está subindo, você não está no controle e talvez só esteja sendo erguido para um salto livre no abismo. O mesmo pode ser dito pra quem não sabe porque está caindo. Há uma frase que diz que ‘a realidade é do tamanho da sua mente’.

“Errar é humano, repetir o erro é burrice.”

Rodrigo Meyer

Dizer a verdade gera inimigos. Como proceder?

A imagem que ilustra este texto é parte da obra “Pain and fear, pain and fear for me, alive or dead, no hope, no hope.”, de Nicholas Nickleby (1875, talvez), obtido pelo “Fondo Antiguo de la Biblioteca de la Universidad de Sevilla”, na Espanha.

Qualquer que seja o ambiente ou situação, existe, infelizmente, uma barreira presente na sociedade diante do que é dito. Como já consagrado pelo ditado popular, existem as mentiras doces e as verdades amargas. E uma sociedade composta de imaturos prefere o aconchego do doce, mesmo que seja uma mentira. É compreensível, mas não é saudável, então é preciso que façam decisões sobre isso, pois nem tudo que parece bom ou ruim, é de fato.

Estabelecida essa premissa, precisamos entender um pouco mais sobre como as pessoas se relacionam com a comunicação. Quando conhecemos alguém, estabelecemos máscaras de comunicação que ofertam nossos ideais de interação e uma dose de respeito como premissa de convívio social e aproximação menos agressiva, pra não gerar afastamento e defesa. Queremos estabelecer contato e pra isso facilitamos o contexto pra que possamos ter mais sucesso na tentativa.

Começamos quase sempre tranquilos e sorridentes. De alguma forma isso contagia a pessoa e coloca o espectador a nossa frente também em postura mais tranquila. Desde que seja convincente, o outro lado sempre se molda ao que oferecemos. É impensável imaginarmos que alguém reaja violentamente à algo positivo e agradável, exceto se a pessoa tiver alguma tipo de distúrbio mental que cause reações anormais. Aliás, tocar nesse tema, nos faz lembrar que, embora não exatamente doentes no sentido mais drástico, a maioria de nós tem condutas patológicas em algum nível. E isso é tão comum que chegamos a dizer que é ‘normal’. Não é normal mas é comum de tal forma que aceitamos com menos ressalvas e assim vamos empurrando com a barriga os problemas sociais e psicológicos nessas relações pouco produtivas.

Uma das coisas mais difíceis da comunicação é plantar verdades. A verdade em si não é necessariamente agressiva, mas quando entra em contato com um receptor fragilizado e adoentado, ela age como um álcool em contato com uma ferida exposta. Faz arder, incomoda, revela que ali há um ser frágil com problemas que se contrastam com a ação do álcool. Mas, não podemos dizer que o álcool é agressivo. É apenas álcool. Se passado em uma pele sem feridas expostas, nada causa, além de frescor e limpeza. Então, claro, o problema está na ferida exposta. É a partir disso que precisamos entender a comunicação.

Quando entregamos uma informação realista pra alguém, há duas possibilidades. Ou essa pessoa está fragilizada e reage com incômodo diante da verdade / realidade ou aceita tranquilamente, reflete, tira o proveito possível e segue adiante. A pessoa saudável e equilibrada não está em situação que possa se sentir atacada por algo que não ataca. A verdade passa a não parecer ‘amarga’. Exatamente por isso, a pessoa acostumada a preferir verdades não tem interesse pela mentira que só acumula irrealidades inúteis. Então, de certa forma, a mentira é que se torna amarga. É o caso, por exemplo, quando desprezam um mentiroso, bajulador ou um contexto de enganação. E isso tem muito impacto em grupos e culturas. É preciso vigiar.

As pessoas gostam de ouvir que são as melhores, que são bonitas, inteligentes, divertidas, agradáveis, interessantes e capazes, mas nem sempre isso condiz com a verdade. Algumas vezes, se quisermos ajudar alguém, teremos que expor as realidades pra pessoa com objetivo de fazê-la entender onde ela precisa mudar ou melhorar. Com a mentira não conseguimos ajudar nada nem ninguém. Se alguém vai pleitear uma vaga de emprego e não preenche os pré-requisitos pra vaga, é inútil fingir o contrário. O mais assertado é dizer-lhe onde ele precisa investir pra chegar a ter o mesmo que a vaga exige.

A verdade é extremamente desejável por quem sabe que ela não é nada mais que a verdade e que, portanto, ela é indispensável pra quem quer parâmetros pro seu progresso. Quando recebemos feedbacks, podemos virar os olhos pra algo que não estávamos notando na ocasião. É importante que as pessoas digam o quanto estamos acertando em um relacionamento, em um trabalho, uma atividade, um projeto, uma conduta social, um papel, um modelo de encarar a vida, uma visão diante de um tema, etc.

Mas raramente isso vai ocorrer, porque a maioria das pessoas não está nesse patamar de equilíbrio diante das críticas. A maioria delas sequer está pronta pra aceitar avaliações sobre si, pois possuem complexos e inseguranças que as fazem resistir ao contato com a verdade, como uma proteção.

Ciente de que as pessoas não se ajustarão da noite pro dia, temos que lidar com o fato de que, por muito tempo adiante, a grande parte das pessoas ainda se converterão em nossos inimigos, caso tentemos expor verdades. Dizem que no topo é solitário. E essa é a exata expressão de como a subida pela montanha do progresso nos faz percorrer trilhas cada vez menos habitadas, justamente porque a maioria demora mais pra progredir, ao se prender a dores e receios que as coloca sempre na desistência do necessário. Recusam uma verdade hoje aqui, outras duzentas verdades ali, e quando se dão conta se afastaram de todos os importantes feedbacks que poderiam ajudá-las a se tornar pessoas melhores em menos tempo. Essa diferença de aceitação da realidade é que gera diferentes níveis de progresso entre as pessoas e é tão somente por isso que umas estão mais ao alto na montanha e outras mais abaixo. Mas todos temos potencial pra nos transformarmos. Basta pararmos de negligenciar o necessário e automaticamente vamos arrumando os problemas e avançando de nível na nossa própria vida.

Embora isso pareça fácil e óbvio, é complexo. E muita gente sabe que, embora seja o certo a se fazer, evita mudar, pois sabe que mudanças geram incertezas. Sabem, sobretudo, que se mudarem pra melhor, ficarão um pouco mais solitárias, pois há menos gente ao nosso lado quando somos um álcool pra tantas feridas expostas. Vamos torcer pra que as feridas se fechem e as pessoas superem a realidade, passando a usá-la como degrau e não como ofensa. Aprender é simples, mas como dizem, “difícil é fazer o simples”. Vamos mudar o mundo? Pra isso precisamos, primeiramente, mudar a nós mesmos.

Rodrigo Meyer